quinta-feira, 27 de junho de 2019

Roberto Magalhães e Suas Obras

animal, 1982





" As máscaras rituais, as figuras totêmicas das tribos primitivas são expressões da insegurança
 do homem em face de um universo que ele não domina. A insegurança é de cada um mas,
assimilada à  mitologia  e às práticas mágicas da comunidade, ela se objetiva, como a
expressão cultural que não leva ninguém ao hospício, instituição, aliás, inexistente,
 por desnecessária, em tal tipo de comunidade. "
ferreira gullar

( para ver a publicação original, clique aqui )

carlos miranda (betomelodia) 


roberto magalhães, 1940 / active
oil on canvas - dimensions: 41cm X 33cm - private collection
governor island - rio de janeiro state - brazil

fonte
imagem e dados técnicos: arquivo pessoal
publicado por : carlos miranda (betomelodia) 

sábado, 22 de junho de 2019

Estrada do Sol, Fernanda Takai

fernanda takai


Memórias É o que este clipe, com Fernanda Takai, Marcos Valle e Roberto Menescal me traz. Em uma
publicação em que Fernanda e banda foi destacada, ela interpreta a mesma composição de Tom e
Dolores Duran em um arranjo bem ao seu estilo e canção é a mesma que hoje está em destaque.
Levou-me de volta ao início de minha vida adulta, meu Rio de Janeiro que jamais esqueço, ao
convívio com hoje ícones de nossa  cultura musical,  e aos muitos planos para o meu futuro.

Emoções. Décadas se passaram  mas hoje ao cerrar meu olhar,  ouvindo, sentindo toda a
a energia que do palco emanava,  retornando a mim como uma dádiva,  é impossível conter o
calor de pequenos riachos que de meus olhos passeiam por muitos sulcos minha face. Lágrimas
que nasciam de felizes  recordações, lágrimas que  também me levavam ao choro intenso por ter o
curso da vida enfraquecido minha voz, antes forte, rica, em suaves notas, me lembrando antigos palcos.

Tristezas. São pequenas  mas,  não deixam de terem sido, tristes.  Tem uma, que me acompanhou  em
minha carreira na Música como intérprete, foi a falta de amor à Arte de Cantar, substituída por amor
aos ganhos financeiros sem o devido merecimento por pseudos músicos. Colegas que traíam os
parceiros por  migalhas  a mais em seus ganhos, traíam em busca de novo palco, traíam seus
colegas de palco ao se  apresentarem  tendo ingerido  álcool.  Traíam o cantor ao errarem.

Alegrias. Uau, me são muito caras, me mantendo aos setenta e cinco anos de idade, dono
de minhas faculdades em afirmar que tive um viver pleno de alegrias mas, deixando de lado o
viver em família que só decepções me trouxe. Faria tudo novamente. Repetiria meus passos, que
me levaram ao que hoje sou, um ser grato à  Vida,  um ser amante da pura beleza que é o lugar em
que resido atualmente, orgulhoso de meus atos, orgulhoso por ter sido apenas um  "Cantador do Amor".


( assistam a interpretação desta mesma composição, em Março de 2015 com Fernanda Takai, clicando aqui )
 





A postagem de hoje é sobre uma voz meiga, suave e afinada que muito me encanta. A dona dessa voz,
é Fernanda Takai, mais uma vez presente aqui no Blog com a composição  de meu Mestre Tom Jobim
em parceria com Dolores Duran, "Estrada do Sol", acompanhada por um trio da pesada:  João Cortez
na bateria,  Adriano Giffoni no baixo e Adriano Souza  no piano, vibrafone e órgão. No clipe, aparecem
é claro, o meu amigo Menescal na guitarra e o Valle em seu Rhodes, na gravação de "O Tom da Takai"
e lógico, a encantadora  Fernanda.  Creio que asim como eu,  os amantes da  boa Música  apreciarão.




Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 





É de manhã vem o sol mas os pingos da chuva que ontem caiu
Ainda estão a brilhar ainda estão a dançar
Ao vento alegre que me traz esta canção

Quero que você me dê a mão vamos sair por aí
Sem pensar no que foi que sonhei que chorei que sofri
Pois a nossa manhã já me fez esquecer
Me dê a mão vamos sair pra ver o sol

antonio carlos jobim / dolores duran



fontes
imagem e vídeo: arquivo pessoal - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: arquivo pessoal  / google

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Meus Escritos - Textículos



..." palavras e palavras, que conforme dispostas em frases curtas ou longas, nos levam a questionar a existência "...






solidão.
..." a lágrima, solitária, triste e fria, brota em seu olhar.
mas ele é forte, ele não a verte, silenciando-a em sua solidão. "...


cheguei.
..." vontade de chorar, de ir embora para que talvez sintam falta.
vontade de viajar para bem longe, não sei onde,
esquecer quem sou, dilacerar todos os afetos partindo sem destino.
vida que lhe impunha triste solidão, mesmo estando ao lado de amigos ou
da pessoa amada, exemplo de paz, sabedoria e amor.
olhos brilhando por insistentes tristes lágrimas, nada que o consolasse
via em seu agora vazio lar, apenas aguardando a porta abrir
e ouvir uma feliz palavra, uma só palavra: cheguei. "...


carência.
..." e então não mais havia amor, apenas a necessidade de presenças em tua solidão.
e assim quando sentias necessidade de ser ouvida, era a ele que procuravas.
ele te escutava sentindo tua solidão, mesmo em sua ignorada constante presença,
pois seu amor era mais intenso e terno que tua existencial carência "...


sincero.
"... amo o que é inexato, em busca da exatidão.
idolatro a beleza em si, mesmo que horrível seja à todos.
talvez, seja eu um tolo, por ser sincero mentindo ..."


obstáculos.
..." o simples ato de viver, creio ser apenas uma opção entre várias escolhas e suas consequências,
então ponderes teus atos...
se por acaso resultarem em erros, corrija-os, recomeça, pois vencer obstáculos é
o caminhar para a evolução "... 


máscara.
..." extremo cuidado ao remove-la, pois talvez não saibas lidar com os motivos pelos quais a usa...
e não os faltam em nossa vida, indo de uma esperança frustada, sonhos desfeitos, raiva, tristeza, dor,
feridas profundas, lágrimas, falsas e nefastas "amizades", tudo resultando em um coração em pedaços "... 


sombra.
..." e ele, pés descalços, passos lentos, caminhava sobre a fina areia da praia em sua busca...
porque estava aqui... o que fizera para merecer o pesar que o assolava naquele paraíso...
urgia saber quem era e para tanto, revivia momentos em muitas imagens...
mas lembranças só traziam certeza que só após saber quem havia sido, teria paz...
concluiu que, simplesmente, era a sombra de suas memórias "...


sonhos.
..." iniciamos nossas vidas colhendo mas com o passar do tempo, devemos aprender a semear,
colher, e então dividir os frutos colhidos, pois assim nosso viver será a realização de muitos sonhos "...


saudade.
..." em nosso viver, superficial é tudo que apenas matéria o é, portanto
somente amor, harmonia e paz é o que nos fará feliz, é o que realmente importa então,
diga não ao sentimento chamado saudade "...


tentar.
..." somos eternos e assim como os acertos, erros são parte essencial
em nosso processo evolucionário. portanto jamais será tarde para novamente tentar "...


partir.
..." vim de longe, muito longe no tempo e na busca
descobri aos poucos que sou aquele que ama seguir
talvez, apenas adiando o momento de partir "...


noite.
..." publicou a "primeira expedição", salvou seus arquivos, e recolheu o teclado, desligando
em seguida o monitor;  levantou de sua poltrona, olhou para seu pequeno mundo e
apagando as luzes,  apagou a si e as suas memórias  até a manhã seguinte "...


busca.
..." voe, voe em busca de teus mais profundos desejos.
voe, mas por vezes ponha teus pés no chão, coração e mente no amor.
voe, olhos aguçados guiando-te na busca, para que ao final não te magoes "...


lágrima.
..." solitária, triste e fria, brota em seu olhar.
mas ele é forte, ele não a verte, silenciando-a em sua solidão "...


paixão.
..." languidamente espero você chegar, e ao chegar, com força me abraçar.
então, viajamos por um mundo de formas e cores surreais,
amamos loucamente, perdidos e irremediavelmente, loucos.
e na despedida, ao você partir, ainda preso pela paixão me ato à você.
apenas esperando sua volta "...


luz.
..." desejo que tenhamos dias em que a luz seja nossa guia, mas...
não podemos esquecer que assim como a luz nos permite ver, seu excesso nos ofusca,
não nos deixando ver com lucidez "...


vida.
..." superações? aventuras? sucessos? amores? ou simples comédias?
ainda não sabemos.
talvez trajetórias errantes, contínuos dramas e ainda,
mudanças ou monotonia da não mudança "...


fontes
imagem: google - textos: carlos miranda (betomelodia) 
meus escritos - arquivo pessoal

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Meus Escritos - Solidão

betomelodia.blogspot.com


" A maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a dor do ser que se ausenta,
que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana.
A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo,
o que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro.
O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e ferir-se,
o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como
uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a
angústia do mundo que o reflete. Ele é o que se recusa às verdadeiras
fontes de emoção, as que são o patrimônio de todos, e, encerrado em seu
duro privilégio, semeia pedras do alto de sua fria e desolada torre. "


vinícius de moraes


..." A tarde. Quente e vazia. Ao fundo, quebrando o silêncio, o ruído do trânsito
em uma avenida próxima. Em seus devaneios o tempo passa rápido e a
sensação de fome volta. É hora de lanchar. Enfim, algo para fazer. "..
.

carlos miranda (betomelodia) 




A mesa. Tampo de mármore branco, com manchas cinza-esverdeadas e as seis
cadeiras à sua volta. O ritual de sempre. A toalha de mesa, base de centenas de
refeições solitárias é estendida, desbotada, limpa, aguardando com passiva
serenidade sobre o frio mármore. Ele não mais gosta de jantares. Trazem
lembranças do passado em família.

Os utensílios. Peças simples, velhas conhecidas. A xícara de chá e o pires de
vidro azul. A colher de chá, as facas e o fatiador de queijo, todos com os já
encardidos cabos plásticos. Descanso de bambu para o bule, para que o calor
não estrague ainda mais a velha toalha.

O fogão. Antigo, mas eficiente em suas funções de ferver a água, cozinhar, fritar,
assar, cozer e também queimar velhos guardanapos e cansadas mãos.
Sobre uma das bocas um também velho e amassado bule de alumínio que,
tal como ele perdeu seus cabelos, perdeu sua tampa. Observando a água no
ponto de fervura, desliga o gás levando o bule à mesa.

O lanche. Pão francês, margarina e um pedaço de mussarela a ser fatiado. Ao
centro da toalha dois vidros: o maior com o açúcar e o menor com o café solúvel.
Começou a usar o café solúvel após derrubar por algumas vezes o porta-filtros.
A pele, com a idade fica muito fina, sensível, dolorida

A solidão. Sentado à cabeceira, prepara seu café e começa a comer, calma e
pensativamente. Olha à sua direita e vê as cadeiras vazias, tristes e solitárias.
À sua esquerda, as também solitárias, tristes e vazias cadeiras.  Ao olhar à
sua frente, para a sexta cadeira, vê como se em um espelho fosse, sua vida
passar lentamente, revelando os caminhos, desvios, atalhos e os sonhos que ao
não se concretizarem, condenaram-o à solidão.

A lágrima. Solitária, triste e fria, brota em seu olhar.
Mas ele é forte. Ele não a verte, silenciando-a em sua solidão.

carlos miranda (betomelodia) 



fontes
imagens: google / betomelodia - texto: carlos miranda (betomelodia)
base da pesquisa: arquivo pessoal - meus escritos