sábado, 24 de setembro de 2016

Fabio Pantoni e Sua Série, Calendário Para Olhos

o homem que se achava napoleão


" Meu futuro certamente é repleto com o cheiro de cores e tintas a óleo e acrílicas."

Fabio Pantoni


Natural da cidade de Ribeirão Preto,  interior do Estado de São Paulo,  onde nasceu no dia vinte
e três de Junho de 1983, despertou para as Artes Plásticas aos quinze anos ao acompanhar
seu tio,  o escritor Luiz Puntel, a uma exposição sobre a obra do pintor José Pancetti no
Museu de Arte de sua cidade.  Anos foram passando até que em 2012, Fabio iniciou
nas Artes cursando Design na  Univille  em Joinville, Estado de Santa Catarina,
época em que iniciou seus trabalhos na pintura. Concluído os estudos na
Univille,  matricula-se na  Escola de Música e Belas Artes do Paraná, e
lá especializa-se em  História da  Arte Moderna  e Contemporânea.




Alicerces prontos mas, vamos lá. Fábio retorna à sua cidade natal
e lá conhece o Artista Plástico  Lima Junior que, coloca seu ateliê, sua
casa e sua experiência à disposição de Fabio. E assim, como seu pupilo ele
aprimora seus conhecimentos sobre o universo da pintura por meses e meses,
adotando como fontes de pesquisas os  pintores clássicos, e o Mestre Lima Junior.
Atualmente residindo e tendo seu ateliê junto à natureza,  em Joinville,  Santa Catarina, a
técnica preferencialmente usada para execução de seus trabalhos é acrílica sobre tela e sua
temática atual são retratos,  fase em que utiliza  intensas cores  contrastando com claras bases.
E segundo  suas palavras,  a sua pintura  na série  "Calendário para Olhos",  está  repleta de
estética poesia,  com violento cromatismo.  Inicia suas telas pelos olhos, o ponto criativo,
a base de  seus trabalhos  tão inovadores,  impactantes e também  ternos. Mágicos.


E Aqui Vai Um Lembrete

Como sempre faço questão de ressaltar,  ao final da postagem,  lá na série de links apresentados em
"links para suas preferências no blog",  é possível saber mais sobre outros Artistas Plásticos,
assim como sobre outros estilos de sua preferência, com total segurança, aqui mesmo
em meu  blog,  e também em meus outros espaços culturais na Web.  Apreciem.

carlos miranda (betomelodia)




olhos de infância
moça casta no pomar


pierrô e o chapéu de ilusões

última lágrima da colombina

vendedora de maçãs no mercado
última paixão de gauguin

afinadora de pianos
a intrusa no jardim de monet




















madame gauvignon

a confidente do rei
o menino e a caixa de brinquedos









destaco: o arlequim de salaman


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

( tamanho das telas adaptados à diagramação )

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Adriana Varejão e sua Arte Multifacetada

o dilúvio


A pintura é minha raiz, da mesma forma que o Brasil


Nasceu no ano de 1964, na cidade do Rio de Janeiro. É pintora e Artista Plástica contemporânea,
filha de um piloto da Aeronáutica e da mãe nutricionista, que na atualidade é grande destaque
no Brasil e no Exterior por sua obra,  revelando históricos elementos culturais ligados ao
barroco, principalmente a azulejaria da época colonial.  Ah, se nome: Adriana Varejão,
que aos 16 anos iniciou seus trabalhos na pintura e entre 1981 e 1985, participou
de  cursos livres na  Escola de Artes Visuais do Parque Lage,  Rio de Janeiro,
e três anos depois, aos 24 anos, realizou a primeira exposição individual.



adriana varejão


Acho que um dia eu acordei e virei artista

Vivendo e trabalhando no Rio de Janeiro, já obteve muitos prêmios tanto
no Brasil como em outros Países em milhares de exposições individuais, por
sua imensa projeção internacional na  Arte contemporânea brasileira.  Ela possui
influências variadas ao expressar à cada trabalho a poesia da vida e seus contrastes,
inspirando-se no inusitado sob uma  visão expressiva que por vezes,  chega a chocar os
apreciadores de sua obra,  gerando controvérsias mas, sem negação ao seu talento. Usando
técnicas que aplicadas às suas telas, desde espessas camadas de tintas até apliques de vários
tipos, seu trabalho é um misto de pintura e relevo, resultando personalíssimo, de extrema beleza.


Um Lembrete

Como sempre faço questão de ressaltar,  ao final da postagem,  lá na série de links apresentados em
"links para suas preferências no blog",  é possível saber mais sobre outros Artistas Plásticos,
assim como sobre outros estilos de sua preferência, com total segurança, aqui mesmo
em meu  blog,  e também em meus outros espaços culturais na Web.  Apreciem.


carlos miranda (betomelodia)




abóboda

altar







































sem título disponível
natividade

azulejos

anjos
cacos e peixes

altar amarelo









atlas

milagre dos peixes

atlantis
























destaco: paisagem chinesa


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

( tamanho das telas adaptados à diagramação )

domingo, 18 de setembro de 2016

Chão de Giz, com Zé Ramalho e Fagner

fagner e zé ramalho


Chão de Giz

Mais uma vez trago um grande sucesso de Zé Ramalho, mas assim como na publicação
anterior, em um duo com outro grande ícone da Música Popular Brasileira, Fagner.
E como é sabido,  Zé é paraibano tendo nascido na cidade interiorana Brejo
da Cruz, e Moska,  "carioca da gema",  que em 27 de Agosto de 1967
veio ao mundo na então capital do Estado,  a cidade do Rio de
Janeiro. A dupla realiza bela interpretação à composição.

Quanto à letra da canção,  está presente o amor. Mas um amor impossível. Lembra
ou narra, um romance com uma mulher rica e talvez mais velha, casada com
homem rico ou influente. Parece que conheceram-se em um carnaval
e pelo fogo da paixão foram dominados,  mas tempos depois a
impossibilidade fez com que terminasse,  partindo então.
E como sempre, metáforas de Zé Ramalho na letra.


Agora, Um Lembrete

Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia)



video


Eu desço dessa solidão
Espalho coisas sobre um chão de giz
Há meros devaneios tolos a me torturar
Fotografias recortadas em jornais de folhas amiúde
Eu vou te jogar num pano de guardar confetes
Eu vou te jogar num pano de guardar confetes

Disparo balas de canhão
É inútil pois existe um Grão-Vizir
Há tantas violetas velhas sem um colibri
Queria usar quem sabe uma camisa de força ou de vênus
Mas não vou gozar de nós apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom

Agora pego um caminhão na lona vou a nocaute outra vez
Pra sempre fui acorrentado no seu calcanhar
Meus vinte anos de boy "that's over baby" Froyd explica
Não vou me sujar fumando apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom
Quanto ao pano dos confetes já passou meu carnaval
E isso explica por que o sexo é assunto popular
No mais estou indo embora no mais estou indo embora no mais


zé ramalho




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A Terceira Lâmina, Zé Ramalho e Elba Ramalho

a terceira lâmina


A Terceira Lâmina

Repleta de misticismo, com linha melódica própria de uma das mais belas regiões da Brasil, o
Nordeste, mais uma vez a publico aqui no blog mas,  agora em um duo familiar com os
primos Zé Ramalho e Elba Ramalho. Ambos nasceram no Estado da Paraíba, ele
em Brejo da Cruz e ela, em Conceição do Vale do Piancó. São dois ícones
da Música Regional Nordestina no âmbito nacional e internacional,
e nada posso acrescentar que não seja conhecido por todos.


zé ramalho e elba ramalho


Creio que quanto ao significado da composição,  só o autor
poderia explicar sua mensagem, o verdadeiro sentido do poema e
por fim às muitas especulações sobre, pois sua linguagem figurada é rica
em paradigmas sobre o mistério da existência humana física e espiritualmente e
que, em sua maioria não obedecem aos limites e normas, gerando caos consciente na
busca da liberdade evolutiva.  Em verdade, a interpretação de uma canção ou de um poema, é
a libertação de um sentimento subjugado, em relação aos dogmas de nossa realidade.
Em 2013, 11 de Outubro, publiquei o vídeo oficial do lançamento da canção, e se
quiserem é só clicar no título a seguir, em dourado, A Terceira Lâmina, que
é o  link  que direcionará à publicação no blog  em total segurança.


Um Lembrete

Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia)



video


É aquela que fere que virá mais tranquila
Com a fome do povo com pedaços da vida
Como a dura semente que se prende no fogo
De toda multidão

Acho bem mais do que pedras na mão
Dos que vivem calados pendurados no tempo
Esquecendo os momentos na fundura do poço
Na garganta do fosso na voz de um cantador

E virá como guerra a terceira mensagem
Na cabeça do homem aflição e coragem
Afastado da terra ele pensa na fera
Que o começa a devorar

 Acho que os anos Irão se passar
Com aquela certeza que teremos no olho
Novamente a ideia de sairmos do poço
Da garganta do fosso na voz de um cantador


zé ramalho




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Oscar Araripe, Uma Técnica Personalíssima

marinha, sem título disponível



Oscar Araripe

Natural da cidade do  Rio de Janeiro, capital do Estado homônimo,  nasceu no dia 19 de Julho
de 1941. Formado em Ciências Jurídicas e Sociais em 1968 pela Faculdade Nacional de
Direito,  Universidade Federal do Rio de Janeiro,  Escritor e Artista Plástico, é um
inovador que obteve enorme sucesso em suas técnicas e estilo na pintura.

Oscar, começou a utilizar o "dracon poliester", material das velas náuticas como base de seus
trabalhos, e também o "filme laser" em substituição ao papel vegetal, inovações no ano
de 1984, que possibilitaram juntamente com suas várias e inovadoras técnicas, a
permanência de grandes trabalhos ficarem permanentemente expostos ao
ar livre. Com mais de uma centena de exposições em sua maioria de
cunho    individuais  em  várias  capitais  brasileiras  e  Países
americanos e europeus, foi detentor de muitos prêmios.



oscar araripe


Em Suas Palavras

" Eu recebo a pintura como uma dádiva, uma alegria.  Após quase 30 anos escrevendo à mão e a lápis, com a obra literária já acabada, e quase sem fôlego, eu comecei a pintar. Assim: num belo dia, cheio de vigor, eu comecei a pintar.  Eu nunca tinha pensado em pintar, em ser pintor.  Então, fiz mil auto-retratos; seiscentas e cinqüenta "transcrições visionadas" de inscrições rupestres do Brasil, dezenas de eróticos, flores, pássaros, peixes, bichos e mais bichos... e encontrei a paisagem.  Bem, eu já vivia na paisagem. Há mais de dez anos; perto do arraial de Mirantão, em Minas Gerais, em vida solidária com as plantas, os bichos, os minerais - e sonhava com a  grande anarquia interna  que apontaria ao homem o belo horizonte camponês."

oscar araripe


Agora, Meu Lembrete

Como sempre faço questão de ressaltar,  ao final da postagem,  lá na série de links apresentados em
"links para suas preferências no blog",  é possível saber mais sobre outros Artistas Plásticos,
assim como sobre outros estilos de sua preferência, com total segurança, aqui mesmo
em meu  blog,  e também em meus outros espaços culturais na Web.  Apreciem.

carlos miranda (betomelodia)




tiradentes ao longe

borboletas no brejo do sol

casario com serra de são josé

casa na serra de são josé

a matriz e o lago azul

panorâmica de tiradentes, com borboletas azuis

tiradentes - arredores

tiradentes depois da chuva

tiradentes - duas igrejas

lagoa em tiradentes com peixes

brejo azul

















destaco: marinha, sem título disponível


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

( tamanho das telas adaptados à diagramação )