sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

Acontece, Cartola



O ano foi 1908. O bairro carioca onde uma estrela negra apareceu,
foi o Catete que o teve como morador até os 8 anos.
Mas Catete o perdeu para Laranjeiras e depois para o Morro da Mangueira,
onde foi um dos Fundadores da escola de samba com as cores verde e rosa,
A Estação Primeira de Mangueira. Estou escrevendo sobre
Angenor, sim, Angenor de Oliveira, o Cartola.


cartola

Ganhou de presente do pai, um cavaquinho aos nove anos,
participando de muitas apresentações em festas de rua na
cidade do Rio de Janeiro. O início de sua fama como compositor
deu-se bem mais tarde, quando certa vez um rapaz procurou-o com
um recado de Mário Reis, um popular cantor da era do
rádio, apelidado de Bacharel do Samba.
Eis a história contada por Cartola.

 "Cartola, vem cá. O Mário Reis tá aí,
queria comprar um samba teu". "O quê? Comprar samba?
Você tá maluco, rapaz? Eu não vou vender coisa nenhuma."
Então o rapaz disse: "Quanto é que você quer pelo samba?"
Eu virei pro cara, no cantinho, disse assim: "Vou pedir 50 mil réis".
"O quê, rapaz? Pede 500." Com muito medo, pedi 500 contos.".
Não, dou 300. Tá bom?" Eu disse assim: "Bom, me dá esses 300 mesmo".
"Mas com muito medo".

Mário Reis comprou mas, não deu para a voz dele. Então gravou
o já famoso Chico, Francisco Alves.
A partir de então, o nome Cartola passou a fazer parte da elite do samba.

Para a página de hoje, escolhi uma de suas composições
que gosto muito, por sua simplicidade, poesia e por
retratar momento que muitos de nós conhecemos. Acontece.
Adicionei um curto vídeo, com o criador interpretando sua obra,
que tenho certeza apreciarão.

carlos miranda (betomelodia)





Esquece o nosso amor
vê se esquece
Porque tudo no mundo
acontece
E acontece que eu já não
sei mais amar
Vai sofrer vai chorar e você
não merece
Mas isso acontece

Acontece que meu coração
ficou frio
E o nosso ninho de amor
está vazio
Se eu ainda pudesse fingir que te amo
Ah! se eu pudesse
Mas não quero não devo faze-lo
Isso não acontece

cartola



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - textos: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 30 de novembro de 2006

Luiza, Tom Jobim

l u i z a


Rio de Janeiro. Um dia chuvoso.
Em um bar estavam Tom Jobim, Carlinhos de Oliveira
e Chico Buarque quando uma moça entrou  para
proteger-se da chuva. Chamou a atenção do Tom por
sua beleza e inspirou-o para a composição
que é o tema desta página.


tom jobim

Tom iniciou sua brilhante carreira trabalhando
em várias casa noturnas do Rio, como pianista. Ele e seu
amigo Newton Mendonça revezaram-se nas apresentações
por várias vezes, o que deu início a uma ótima parceria
que resultou em muitas composições tais como
"Desafinado" e "Samba de Uma Nota Só".

No início da década de 50, Tom Jobim, empregado de
uma gravadora no Rio de Janeiro, tinha como ocupação as
transições de músicas para o registro das mesmas.
Mas a boemia venceu, ainda bem,  e Tom deu uma virada em
sua vida, conforme suas declarações:

"Resolvi mudar de vida de repente.
Para ser bicho diurno, arranjei um emprego na Continental Discos.
Levava minha pastinha, com algumas partituras. Alguem
cantava uma música, batendo na caixa de fósforos e
eu punha a melodia no papel."
( jobim, helena, página 85 )

Graças à mudança de vida e ao talento inato de Tom Jobim,
a Música Popular Brasileira foi enriquecida de tal
maneira que conquistou o mundo com suas composições.
A seguir, uma obra prima do Mestre Jobim, por ele interpretada
e que fazia parte de meu repertório. Luiza.

carlos miranda (betomelodia)






Lua, espada nua
Boia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua, como flutua
Vem navegando o azul do firmamento
E no silencio lento
Um trovador, cheio de estrelas

Escuta agora a canção que eu fiz
Prá te esquecer, Luíza 
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz, do teu amor acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora, um coração

Vem cá Luíza, me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo, vem me exorcisa
Dá-me tua boca e a rosa louca vem me dar um beijo
E um raio de sol, nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então, os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar, Luíza ...
Luíza ... Luíza ...


tom jobim




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google