quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

Tarde em Itapuã, com Vinicius de Moraes e Toquinho




Vinicius de Moraes, apelidado por Tom Jobim de "Poetinha",
carioca da gema, diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor,
ficou famoso com seus sonetos líricos e por suas composições.
Boêmio inveterado, era um grande e incansável conquistador.

Deixou-nos uma vasta obra, tendo como parceiros Tom Jobim,
Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque, Carlos Lyra
e Toquinho, nesta página em um vídeo com um de
seus inúmeros sucessos.  


toquinho e vinicius de moraes

Antonio Pecci Filho, apelidado por sua mãe de "Toquinho",
é um compositor, cantor e violonista. Paulista, teve aulas de violão
com Paulinho Nogueira, e posteriormente estudou harmonia, violão clássico
e orquestração. Seu primeiro grande sucesso em parceria
com Jorge Benjor, ano de 1970, foi com a Música "Que Maravilha".

Os dois, em vídeo, trazem uma das mais belas composições
de Vinicius, em homenagem a uma das mais lindas praias da Bahia.

carlos miranda (betomelodia)



video



Um velho calção de banho
O dia pra vadiar
Um mar que não tem tamanho
Um arco-íris no ar

Depois na praça Caymmi
Sentir preguiça no corpo
E numa esteira de vime
Beber uma água de côco

É bom... passar uma tarde em Itapuã
Ao sol que arde em Itapuã
Ouvindo o mar de Itapuã
Fala de amor Itapuã

Enquanto o mar inaugura
Um verde novinho em folha
Argumentar com doçura
Com uma cachaça de rolha

E com o olhar esquecido
No encontro de céu e mar
Bem devagar ir sentindo
A terra toda rodar

É bom... passar uma tarde em Itapuã
Ao sol que arde em Itapuã
Ouvindo o mar de Itapuã
Fala de amor Itapuã

Depois sentir o arrepio
Do vento que a noite traz
E o diz-que-diz-que macio
Que brota dos coqueirais

E nos espaços serenos
Sem ontem nem amanhã
Dormir nos braços morenos
Da Lua de Itapuã

É bom... passar uma tarde em Itapuã
Ao sol que arde em Itapuã
Ouvindo o mar de Itapuã
Fala de amor Itapuã


vinícius de moraes



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 25 de fevereiro de 2007

Ilusões





( trecho de "o verbo no infinito", de vinícius de moraes )







E ali, de olhar perdido na imaginação, olhando para um
longínquo ponto no céu, ele sonha.


Em sua mente, os sonhos que povoam o universo
são realidades e as realidades do universo, são apenas
sonhos, realizados ou não, nascidos de sua imaginação.

Ele, um entre incontáveis, soberano em seu próprio
universo entre incontáveis universos, é o
supremo sonhador entre bilhões de sonhadores,
aquele que cria e destrói realidades.
Imaginação, sonho, realidade, universo.

Deus onipotente, deus onipresente,
aquele que com a força de apenas seu pensamento
faz nascer e morrer aspirações.


Então, de um longínquo ponto no céu,
ao olhar para si, sente a angústia
da busca, do desejo de conhecimento, de entendimento,
pois apesar da imaginação, sonhos, realidades e
poder do pensamento, não consegue
compreender o sentido de seu próprio universo e
a razão lhe escapa aos poucos.

Ao escapar a razão, restam ilusões, apenas ilusões
sem sentido, sem lógica, sem propósito definido
em seu universo. Vida inspirada apenas em
meros sonhos, em bilhões de... ilusões.

carlos miranda (betomelodia)





fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google