segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Epitáfio, Titãs



" A melhor Banda de todos os tempos da última semana ! "



O título acima, um de seus sucessos musicais,
bem se aplica à banda formada em São Paulo,
década de 80. A maioria de seus integrantes
eram estudantes do Colégio Equipe que, após uma
apresentação no próprio colégio, ano de 1981,
começou a se apresentar em shows em
muitas casas noturnas da capital paulista.

Em atividade há mais de 27 anos, é uma das mais
famosas do Pop Rock Brasileiro, ao lado de
Legião Urbana, Os Paralamas do Sucesso,
Barão Vermelho e outras mais, autoras
de vários sucessos tais como Flores,
Sonífera Ilha, Polícia, Comida, Marvin e da
que aqui a seguir destacamos, Epitáfio.


banda titãs

À princípio, as músicas da banda Titãs não eram
minha praia, pois como eu cantava bossa nova,
samba, regional nordestina e outras românticas,
achava que o pop rock não se enquadrava em meu estilo.
Algum tempo depois comecei a pesquisar mais letras e
suas linhas melódicas. Titãs entrou para meu repertório.
Ainda hoje interpreto Marvim, Go Back, Comida
e outras páginas, que são sucessos até os dias atuais.

Nesta postagem, um clip de Epitáfio, um trabalho
de animação feito por Paulo Christofoli e demais
colegas, um trabalho para a faculdade.

edição de vídeo: cadibadi.

carlos miranda (betomelodia)







Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer

Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe alegria
E a dor que traz no coração

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar

Devia ter complicado menos
Ttrabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor

Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr


sérgio britto




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: calos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google


domingo, 20 de janeiro de 2008

Sangrando, Gonzaguinha



Filho adotivo do Rei do Baião Luiz Gonzaga,
Gonzaguinha foi criado pelos padrinhos, que o iniciaram
na música. Frequentou desde cedo os blocos e
rodas de samba do Estácio,
principalmente a Unidos de São Carlos.

Anos mais tarde entrou na faculdade de economia
e conheceu, na Tijuca, o compositor Ivan Lins
e o letrista Aldir Blanc, todos integrantes do MAU,
o Movimento Artístico Universitário, com quem
apresentaria, alguns anos mais tarde,
um programa de TV.

Lançou 16 LPs e participou de muitos shows
durante a vida sendo que o lançamento de
maior sucesso foi o vinil Começaria Tudo Outra Vez,
em 1976. Depois de sua morte em
um acidente de carro, coletâneas e discos ao vivo
foram lançados com sucesso e recorde de vendas.

Suas composições foram gravadas com êxito
por diversos intérpretes, grandes nomes da
Música Popular Brasileira.


gonzaguinha


Sangrando foi a primeira composição de Gonzaguinha
que interpretei. Falou forte em um dos muitos
momentos de minha vida, em que a música
veio em meu socorro. É parte de meu repertório,
assim como várias outras, principalmente
minha preferida, Guerreiro Menino. A seguir,
um show de interpretação desta eterna pessoa.


carlos miranda (betomelodia)






Quando eu soltar a minha voz
Por favor entenda
Que palavra por palavra
Eis aqui uma pessoa se entregando

Coração na boca
Peito aberto
Vou sangrando
São as lutas dessa nossa vida
Que eu estou cantando

Quando eu abrir minha garganta
Essa força tanta
Tudo que você ouvir
Esteja certa
Que estarei vivendo

Veja o brilho dos meus olhos
E o tremor nas minhas mãos
E o meu corpo tão suado
Transbordando toda a nossa emoção

E se eu chorar
E o sal molhar o meu sorriso
Não se espante, cante
Que o teu canto é a minha força
Pra cantar

Quando eu soltar a minha voz
Por favor, entenda
É apenas o meu jeito de viver
O que é amar


gonzaguinha



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - tecto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google


quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Porto Solidão, Jessé



Jessé Florentino Santos, cantor e compositor,
nasceu em Niterói, estado do Rio de Janeiro.
Passou sua infância em Brasília, mudando-se para
São Paulo cantando em bares e boates. Mais
tarde fez parte das bandas Corrente de Força e
Placa Luminosa, viajando por todo o Brasil.


jessé

No ano de 1980, no Festival MPB Shel, Jessé ficou
conhecido pelo público brasileiro com o título
melhor intérprete ao cantar seu maior sucesso, a
composição de Zeca Bahia e Ginko intitulada
Porto Solidão.

Esta página, com um vídeo editado por Ivanete,
revela a potência da voz desse intérprete com a
canção que, deu início à sua carreira de sucessos.

carlos miranda (betomelodia)








Se um veleiro
Repousasse
Na palma da minha mão
Sopraria com sentimento
E deixaria seguir sempre
Rumo ao meu coração

Meu coração
A calma de um mar
Que guarda tamanhos segredos
De versos naufragados
E sem tempo

Rimas, de ventos e velas
Vida que vem e que vai
A solidão que fica e entra
Me arremessando
Contra o cais


zeca bahia e gincko




fontes:

imagens: google - edição de vídeo: ivanete (iva souza) - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google


quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Gitá, Raul Seixas


" Raul Seixas não é passado.
É presente! É futuro! "
Paulo Coelho

A página de hoje apresenta-nos um dos símbolos da
Música Popular Brasileira, o compositor Raul Seixas, autor
de um de seu maior sucesso, Gitá, que alude ao Bhagavad-Gitā,
um texto sagrado do hinduísmo e que é considerada
um dos clássicos de Raul.


raul seixas

Um interpretar descontraído, alegre e divertido é a
marca que caracterizava as apresentações, o estilo
de cantar de Raul Seixas.
E essa descontração em suas composições
e em suas apresentações, faziam
com que suas músicas transmitissem mensagens
sobre a grande variedade de temas
que sua obra possui, tais como nossas
existências, nossas vidas e sobretudo, o amor.

Gravado para um programa de televisão,
o vídeo abaixo é considerado um dos primeiros
números musicais em cores, da história da
televisão brasileira, sendo Gitá escolhida no ano
de 2009, como uma das 100 melhores
Músicas brasileiras.

carlos miranda (betomelodia)






Às vezes você me pergunta, por que que eu sou tão calado
Não falo de amor quase nada, nem fico sorrindo à seu lado
Você pensa em mim toda hora, me come me cospe e me deixa
Talvez você não entenda, mas hoje eu vou lhe mostrar

Eu sou a luz das estrelas, eu sou a cor do luar
Eu sou as coisas da vida, eu sou o medo de amar
Eu sou o medo do fraco, a força da imaginação
O blefe do jogador, eu sou eu fui eu vou

Gitá  Gitá  Gitá 

Eu sou o seu sacrifício, a placa de contra mão
O sangue no olhar do vampiro, as juras de maldição
Eu sou a vela que acende, eu sou a luz que se apaga
Eu sou a beira do abismo, eu sou o tudo e o nada

Por que você me pergunta, perguntas não vão lhe mostrar
Que eu sou feito da terra, do fogo da água e do ar
Você me tem todo dia, mas não sabe se é bom ou ruim
Mas saiba que estou em você, mas você não está em mim

Das telhas eu sou o telhado, a pesca do pescador
A letra a tem meu nome, dos sonhos eu sou o amor
Eu sou a dona de casa, nos pegue e pagues do mundo
Eu sou a mão do carrasco, sou raso largo profundo

Gitá  Gitá  Gitá 

Eu sou a mosca na sopa, e o dente do tubarão
Eu sou os olhos do cego, e cegueira da visão
Eu sou o amargo da língua, a mãe o pai e o avô
O filho que ainda não veio, o início o fim e o meio

raul seixas / paulo coelho



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Amor em Paz, com Ivan Lins e Toquinho




Vinícius de Moraes, carinhosamente apelidado de "poetinha",
é o autor da letra deste poema, musicado por um grande
Mestre da Música Popular Brasileira:
Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, o nosso
imortal Tom Jobim.


ivan lins e toquinho


Amor em paz, um belo samba lamento, é uma das
páginas que gosto de interpretar nos finais de noites.
O Amor que, sempre presente nas composições da dupla,
está muito bem representado na interpretação destes
outros dois grandes músicos, Ivan Lins e Toquinho, 
ícones da MPB e que em um vídeo, vão conferir.

carlos miranda (betomelodia)






Eu amei
E amei ai de mim muito mais
Do que devia amar
E chorei
Ao sentir que iria sofrer
E me desesperar

Foi então
Que da minha infinita tristeza
Aconteceu você
Encontrei
Em você a razão de viver
E de amar em paz
E não sofrer mais
Nunca mais
Pois o amor é a coisa mais triste
Quando se desfaz

O amor é a coisa mais triste
Quando se desfaz


tom jobim / vinícius de moraes



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google


sábado, 5 de janeiro de 2008

Saudade, Um Pequeno Ensaio

pablo picasso
le vieux guitarriste aveugle, barcelona, outono de 1903



A primeira vez que vi esta tela de Picasso,
um sentimento de tristeza e abandono assolou-me.
Profundamente.

Pensamentos sobre meu futuro não foram felizes.

Por muitas e muitas manhãs, acordei lembrando de
um sonho, um pesadelo em que eu estava estendido
em uma sarjeta,  mãos erguidas pedindo auxílio aos que
passavam mas, só olhares vazios, nenhuma ajuda.
Isso deixou-me inquieto por muitos anos.

Os sonhos e esta bela obra de Picasso, motivaram-me

a escrever este texto que, embora triste, é a realidade
de muitos  de nós, Músicos.


carlos miranda (betomelodia) 





Ele foi um cantador. É isso mesmo que vocês leram,
um cantador, não um cantor, que a muitos encantava.
Desde cedo aprendera que a vida é Música,
é a beleza de um acorde, o som do mar,
do vento nas folhas da vegetação,
e é também o som do silêncio.

Assim, regido por acordes de inúmeras canções,
dedicou-se à tarefa de difundir o Amor e a Vida nas
muitas melodias que entoava por esse mundo afora.

Em o fazer, retirava dos sons que no ar pairavam,
o sustento material, o sustento emocional e espiritual.
Eram os alimentos que necessitava para viver,
para sonhar e para criar.

Décadas passaram. As canções entoadas
em inúmeros palcos das cidades e países por onde vagou,
perderam-se no tempo e no espaço, restando apenas
recordações queridas mas, dolorosas.

Ocaso de uma vida de sonhares, realizados ou não,
ocaso de ilusões desfeitas. Mas venceu a realidade.

Pois seu corpo agora tão frágil e cansado, seu olhar,
Revelam a certeza do abandono, do esquecimento.

Hoje o vejo só e apoiado em seu velho violão,
com seu olhar perdido nas brumas do passado,
saudoso, buscando sons esquecidos e aguardando.
Mas aguardando o que, com suas mãos e voz trêmulas?
O vejo sem esperança, ouvindo apenas a Música da brisa

suave, não suportando ter sido abandonado por seus acordes,
por sua voz outrora forte e bela. Triste e solitário
o Velho Cantador deseja apenas ser lembrado
por alguém, pedindo apenas para ser
amado, ele que tanto Amor deu.
Gostaria apenas de ser lembrado.

De ser amado.

carlos miranda (betomelodia) 




imagem: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base da pesquisa: google

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Ah Se Eu Pudesse, Wanda Sá




Roberto Batalha Menescal. 
Nascido em Vitória, estado de Espírito Santo, Foi um
dos fundadores do movimento Bossa Nova, 
participando ativamente das reuniões do grupo que
reunia-se no apartamento de Nara Leão, lugar
onde o movimento realmente teve início.

Em maioria de suas composições, o mar é o tema presente,
e sua canções, verdadeiros poemas, são até os dias atuais
consideradas hinos do movimento e da própria
Música Popular Brasileira.


roberto menescal


Uma de suas criações que interpreto desde o seu
lançamento, um verdadeiro poema sobre a esperança e amor,
é a que ilustra a postagem de hoje.
Ouçam a beleza da letra e os acordes de Roberto Menescal,
na voz perfeita de Wanda Sá.

carlos miranda (betomelodia)







Ah! Se eu pudesse te buscar sorrindo
E lindo fosse o dia, como um dia foi 
E indo nesse lindo, feito para nós dois 
Pisando nisso tudo que se fez canção

Ah! Se eu pudesse te mostrar as flores 
Que cantam suas cores para a manhã que nasce
Que cheiram no caminho como quem falasse 
As coisas mais bonitas para a manhã de sol

Ah! Se eu pudesse no fim do caminho 
Achar nosso barquinho e levá-lo ao mar
Ah! Se eu pudesse toda poesia 
Ah! Se eu pudesse sempre aquele dia

Ah! Se eu pudesse te encontrar serena
Eu juro pegaria sua mão pequena
E juntos vendo o mar 
Dizendo aquilo tudo quase sem falar

roberto menescal / ronaldo boscoli



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Misty, Johnny Mathis



Saudades da época dos bailinhos em casa.
Cada final de semana na casa de um dos amigos.
Começávamos com músicas agitadas, todos nós procurando
seu afeto e partilhando os loucos passos de um bom rock, exibindo-se,
cativando as meninas com seu dançar.

Depois de algumas danças separados, como mandava
o figurino na época, um intervalo, bebidas e petiscos que as mães
preparavam. Depois, o momento esperado, com músicas
suaves que convidavam-nos aos abraços, aos passos
de dança em uníssono, corpos próximos enlaçados
por trêmulas mãos. embalados ao som de
belas e inebriantes canções.

Bons tempos. Felizes os que os bem aproveitaram.


johnny mathis


Fiz algumas versões de clássicos de algumas melodias
da linha romântica de outros países, na ocasião
muito tocadas nas rádios e entre elas, estava a que
é o motivo desta postagem, mas...

Pedi à uma emissora de TV de Campo Grande,
o favor de converter o video de uma de
minhas entrevistas, de Áudio_TS e Vídeo_TS
em um formato compatível para
exibição em meu blog.

O dvd, única cópia em meu poder, deve ter sido
defenestrado pois desapareceu na emissora.
Assim, não me resta senão apresentar
o vídeo com o autor interpretando
Misty para vocês e não eu cantando a minha versão.

Então, Johnny Mathis, cantando sua
maravilhosa canção, com minha versão
logo abaixo.

carlos miranda (betomelodia) 






Veja só
Indefeso um gatinho em uma árvore
Me sentindo preso à uma nuvem
Não posso entender
Tão confuso segurando sua mão

Ao andar
Mil violinos começam a tocar
Me trazendo o som de sua voz
Mas na música no ar
Tão confuso ao estar com você

Você deve achar que ao me guiar
Estou gostando de ser tão protegido
Não notando o quanto estou perdido
E que por isso sempre sigo você

Solidão
Me levando a caminhar por tão distante
Sem saber o rumo de meus passos
Se meu chapéu me cai bem... é
Tão confuso mas muito apaixonado


johnny mathis / versão: betomelodia



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Boa Sorte, com Vanessa da Mata e Ben Harper




Uma pequena cidade a 400 quilômetros de Cuiabá,
cercada de rios e cachoeiras.  O nome da cidade é Alto Garças, e
o ano, 1976. Lá nasceu Vanessa Sigiane da Mata Ferreira.

Sangue xavante em suas veias, cresceu ouvindo de Luiz Gonzaga
a Tom Jobim, de Milton Nascimento a Orlando Silva, além
de ritmos regionais tais como carimbó, música caipira, samba e
até as bregas de origem italiana. 


ben harper e vanessa da mata

Uma bonita mulher, dona de uma voz agradável que
me lembra um grande ícone da nossa MPB, Gal Costa
na década de setenta, por seu carisma e estilo de interpretar,
é a autora da versão da música de Ben Harper, Good Luck.

Assista agora o vídeo em que o autor  e Vanessa
dão um show no palco.

carlos miranda (betomelodia)






É só isso
Não tem mais jeito
Acabou, boa sorte
Não tenho o que dizer
São só palavras
E o que eu sinto
Não mudará

Tudo o que quer me dar
É demais
É pesado
Não há paz
Tudo o que quer de mim
Irreais expectativas
Desleais

That’s it
There is no way
It over, Good luck
I have nothing left to say
It’s only words
And what l feel
Won’t change

Tudo o que quer me dar   Everything you want to give me
É demais   It too much
É pesado   It’s heavy
Não há paz   There is no peace
Tudo o que quer de mim   All you want from me
Irreais   Is’nt real
Expectativas   Expectations
Desleais

Mesmo se segure
Quero que se cure
Dessa pessoa
Que o aconselha
Há um desencontro
Veja por esse ponto
Há tantas pessoas especiais

Now even if you hold yourself
I want you to get cured
From this person
Who poisoned you
There is a disconnection
See through this point of view
There are so many special people in the world
so many special people in the world in the world
All you want
All you want

Tudo o que quer me dar    Everything you want to give me
É demais   It too much
É pesado   It’s heavy
Não há paz   There is no peace
Tudo o que quer de mim   All you want from mem
Irreais   is’nt real
Expectativas   Expectations
Desleais

Now were Falling into the night
Um bom encontro é de dois

ben harper / versão por vanessa da mata


fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google