quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Oito Pilha Hum Real, WWW.Sem, Zé de Riba



Iniciando 2009, falaremos sobre um
grande personagem da Música e da Arte
do nosso imenso Brasil, um artista que com
sua individualidade e uma criatividade ímpar,
nos leva ao seu mundo de composições e
interpretações que, fugindo das visões e dos
conceitos estereotipados, surpreende e encanta
a todos os que o conhecem.


carlos miranda (betomelodia)





Zé de Riba é acima de tudo um cara sério.
Quando é folclórico, quando é apocalíptico como
Conselheiro, quando é árido ou quando
é só um embolador de tudo, a abordagem do Nordeste
desse Zé é profundamente respeitosa e honesta.
Até quando ri de si mesmo, ele é assim.

E o show é forte, miscigenado, cheio de pontes
com o mundo. Ao lado de uma banda muito competente,
o maranhense migra por linguagens afinal de contas
parecidas sem deixar de ser ele mesmo,
acima de tudo coerente. Um trabalho de muita força.






Nos embalos desse trem cortador de unha tem
bala bombom pirulito tem até sonrisal
Oito pilha hum real oito pilha hum real
guaraná cadeado relógio inglês
bilhete prá todo lado tem fiscal tomando tudo
e tem fiscal tomando tudo

E derepente um tumulto corre corre recomeça
gente perde a sacola no trilho o trem apita
vai pará é a polícia vai pará é a polícia
é porrada de respeito contra aquele cidadão

do jeito do jeito jeito que foi essa nação
prá você vê então todo dia na estação sujeito
bem disposto alho e tomate tesourinha de mão
nhaum... quando chegar o fiscal
nhaum... quando chegar o fiscal
olha aqui meu irmão tem que pagar na real
olha aqui meu irmão tem que pagar na real

E nesse vendaval aparece um pastor com as
bíblia na mão querendo me convencer... irmão
todo mundo vai morrer irmão todo mundo vai morrer
por causa do cigarro valei-me meu Pai Eterno
é o juízo final olha a pilha! Oito pilha hum real
olha a pilha! Oito pilha hum real vendido

Telefone e automóvel não tem modess prá menina
tenis camisinha e a tal penicilina absorventes
higiênicos satélite computador melhoral infantil
avião elevador cotonete de elefante viagem para a lua
roleta de corrida tem dó de mulher nua garrafa
de coca-cola geladeira cd cinto guitarra elétrica e o
carrinho de bebê é o Brasil está legal faz de conta
adicional fantasia real tem cêmera digital
olha a pilha! Oito pilha hum real
olha a pilha! Oito pilha hum real tá na bolsa

Barriga bola de gude tem calcinha de fitinha
a bunda brasiliera aqui tem de tudo e não precisa
ir à feira tem o rolo do rolo do rolo rolo ralá
enquanto lá em Brasília tão vendendo o País
atola acorda a vida por um triz quando o jogo do jogo
do jogo e quem entra no jogo inda não foi condenado
olha a pilha! Oito pilha hum real

olha a pilha! Oito pilha hum real

Ô quei pessoal ô quei pessoal
desculpem incomodá a viagem de vocês meu pai tá
no xadrex minha mãe no hospital minha mana é
uma tarada ela não tá legal porisso te peço agora
aceito passe ou hum real aceito passe ou hum real
aceito passe aceito passe aceito passe aceito passe

zé de riba




O mais legal é que se fosse para rotular,
não daria para encaixá-lo no mesmo "world music"
de Lenine, por exemplo, a quem não deixa de lembrar.

Mas o que o pernambucano tem de "world",
esse maranhense tem de si próprio. O mesmo dá
para dizer de outra referência de Zé, André Abujamra,
esse citado nominalmente durante a interpretação
de Alma Não Tem Cor, do Karnak.
Explicando: se Lenine e Abujamra, cada um por
um caminho, exploram gêneros olhando para fora,
o maranhense tem as mesmas curiosidades com um
olhar para dentro. Cada gesto teatral, cada
estrutura de arranjo com a entrada da flauta transversa
ou o solo de guitarra, remete a anos do que se vive
repetidamente nos sertões, misturando cordel,
Armorial, Canudos, teatro mambembe,
trovas, alucinações, mitologias readaptadas,
tropicalismo e fome. E é isso que Zé apresenta
no picadeiro ao respeitável público.
Sem leões banguelas, macacos tabagistas

ou elefantes esquálidos.
A referência Karnak aparece de novo,
por acaso (para quem acredita) no t
ítulo de uma Juvenal
que não é aquela, e mais explicitamente no maestro
da banda, Mano Bap, o baixista da banda de Abujamra.
Daí vir o humor e o conhecimento de causa ao passar por
tudo o que passa a banda, de três percussionistas,
um sopro, baixo e guitarra.

Aliás, um dos percussionistas se destaca pelo uso
de uma bateria eletrônica Roland HPD-15,
de dezesseis pads programáveis,

com um som de surdo-miditão cheio de peso
e harmônicos que pouca gente
percebe de cara não ser o surdo mesmo.







Sem amor sem ninguém
Sem nenhum sem cem

Sem bondade sem maldade

Sem saudade sem alguem

Sem agora sem passado

Sem futuro sem presente

Sem memoria

Sou www.sem

Sou www.sem

Sem sim sem não


Sem baião nem de dois
Sem tom sem som
Sem batom sem cachaça

Sem graça sem dó

Sem pó sem pirraça

Sem feijão sem arroz

Sem teto sem chão

E o w do w do w ponto plugado

E nesse jogo inventado

Eu fico sem ponto sem


Sem amor sem ninguém

Sem Rimbaud sem cem
Sem queijo sem rato
Sem beijo sem Lacan

Sem Freud sem manhã
Sem sina sem menino sem menina
Sem karma sem cama sem drama sem gasolia

Sem comedia sem a midia sem a media

Sou ponto sem sem cem

Sem sol sem uol


Sem anzol sem mar sem lar

E o w do w do w ponto plugado

E nesse jogo inventado
Eu fico sem ponto sem
Sem verbo sem adverbio

Sou transitivo direto
E nesse verbo de amor e de paixão
Tão só tão tão

Tão só tão tão
Tão só tão tão
Tão só tão tão
Tão só

zé de riba e romildo soares




O engraçado é perceber que justamente no ponto
mais fraco da apresentação, Reprocesso,
tocada em duas versões, e nome do disco de Zé de Riba,
é que o artista aposta. Em uma letra com algo entre
B. Negão e Gabriel o Pensador, o artista abre mão de todo
um peso de excelência que carrega nas costas
para tentar ser palatável e falar uma língua que não
se encosta na dele. Entre tantas línguas tão ao alcance
e tão bem incorporadas, a que foi escolhida para representar
o artista é o tiro na culatra. Que ninguém se deixe levar por ela.

bernando mortimer




fontes
imagem: google - vídeos: youtube - textos: carlos miranda (betomelodia) / bernardo mortimer
base das pesquisas: google