segunda-feira, 16 de março de 2009

Carolina, Caetano Veloso




O que falar sobre Caetano Veloso, que adjetivos
usar sem redundâncias, sem que haja plagio
no que se refere a elogios ou idolatria?
Interpreto suas composições há muitos anos, 
sendo sempre muito aplaudido ao cantar 
seus vários sucessos.




Esta interpretação de Carolina, autoria
de Chico Buarque, está em meu acervo de vídeos
que, nesta postagem, hoje divulgo para
matar as saudades de velhos tempos.

carlos miranda (betomelodia)



video




Carolina nos seus olhos fundos
Guarda tanta dor
A dor de todo esse mundo

Eu já lhe expliquei que não vai dar
Seu pranto não vai nada ajudar
Eu já convidei para dançar
É hora já sei de aproveitar
Lá fora amor uma rosa nasceu
Todo mundo sambou uma estrela caiu
Eu bem que mostrei sorrindo
Pela janela ói que lindo
Mas Carolina não viu

Carolina nos seus olhos tristes
Guarda tanto amor
O amor que já não existe

Eu bem que avisei vai acabar
De tudo lhe dei para aceitar
Mil versos cantei pra lhe agradar
Agora não sei como explicar
Lá fora amor uma rosa morreu
Uma festa acabou nosso barco partiu
Eu bem que mostrei a ela
o tempo passou na janela
E só Carolina não viu

chico buarque




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google


domingo, 1 de março de 2009

Atotô Baluaê, André Abujamra

oxaguiãn


A cidade, São Paulo. O ano, 1965. O pai,
diretor, ator e ex-juvenil do Internacional de
Porto Alegre, Antonio Abujamra. O seu nome,
André Cibelli Abujamra, que compositor,
cantor, multi-instrumentista e ator,
montou na década de 80 a banda denominada
Os Mulheres Negra, junto com Maurício
Pereira, por eles classificada como a terceira
menor big-band do mundo.



andré abujamra


No zodíaco, é Touro com Gêmeos, ou seja,
pés no chão e cabeça na lua. Tem o Candoblé
como sua religião sendo guiado por Obaluaê,
que lhe legou a inquietação. Essa miscelânea de 
influências faz com que ele se auto-defina como ator, 
diretor, produtor e músico, simplesmente um 
multi-profissional. 

Começou sua carreira por volta de 1985, mas foi 
em 2003 que realizou seu mais difícil trabalho, 
ao compor a trilha para o longa de Hector Babenco, 
Carandiru, sucesso do cinema braileiro. 

Tendo feito parte da banda Karnac, realizou no mesmo 
ano, em junho, no Villagio Café, em São Paulo, o 
seu primeiro show e após pouco mais de um ano, 
lançou O Infinito de Pé. Abaixo, em um vídeo 
editado por giulianoscan, um de seus muitos 
sucessos, Atotô Baluaê.

carlos miranda (betomelodia)


video




atotô atotô atotô atotô
atotô atotô atotô atotô

atotô (baluaê) atotô (baluaê)
atotô (baluaê) atotô...

iemanjá Iejju iejju iemanjá
iemanjá Iejju iejju iemanjá

iemanjá Iejju iejju iemanjá
iemanjá Iejju iejju iemanjá

oxaguian oxaguian

iemanjá Iejju iejju iemanjá
iemanjá Iejju iejju iemanjá


andré abujamra




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google