sexta-feira, 30 de julho de 2010

Sonho de Ícaro, Byafra


ícaro


" O sobrado da Rua Raul Pompéia, 37, em Niterói, na época capital do Estado do Rio de Janeiro, estremecia com as pancadas dos pedaços de cabo de vassoura sobre as latas de tinta vazias. No comando da percussão, Byafra, que naquela época, aos 12 anos de idade, era conhecido apenas como Maurício Pinheiro Reis. No segundo andar, sua avó, Dona Aura, tentava em vão dormir um pouco depois do almoço. Impossível, pois o ruído invadia o quarto apesar das portas e janelas fechadas. O pior é que essa cena se repetia todos os dias. Mulher inteligente e de grande vocação diplomática, Dona Aura percebeu que o problema não se resolveria com uma simples bronca no neto ou com meia dúzia de gritos. Num belo dia, a senhora entra na garagem e interrompe o solo de percussão com um presente: uma bela flauta doce, acompanhada de um certificado de inscrição num curso de música, para aprender o instrumento. A única coisa que Dona Aura não sabia, é que além de resolver o seu problema, também estava proporcionando o início da carreira de um dos mais queridos artistas da música popular romântica do Brasil. "


byafra


Foi em meados da década de 80, que incluí
os trabalhos de Byafra em meu repertório,
com a composição de Pisca e Cláudio Rabello,
Sonho de Ícaro, grande sucesso até os dias atuais, e
por ele interpretada de uma forma marcante.
Essa é a postagem de encerramento do mês,
que com certeza nos traz grandes recordações.

carlos miranda (betomelodia)





Voar voar
Subir subir
Ir por onde for
Descer até o céu cair
Ou mudar de cor
Anjos de gás
Asas de ilusão
E um sonho audaz
Feito um balão

No ar no ar
Eu sou assim
Brilho do farol
Além do mais amargo fim
Simplesmente sol
Rock do bom
Ou quem sabe jazz
Som sobre som
Bem mais bem mais

O que sai de mim
Vem do prazer
De querer sentir
O que eu não posso ter
O que faz de mim
Ser o que sou é gostar de ir
Por onde ninguém for
Do alto coração
Mais alto coração


Viver viver
E não fingir
Esconder no olhar
Pedir não mais que permitir
Jogos de azar
Fauno lunar
Sombras no porão
E um show vulgar
Todo verão

Fugir meu bem
Pra ser feliz
Só no pólo sul
Não vou mudar
Do meu país
Nem vestir azul
Faça o sinal
Cante uma canção
Sentimental em qualquer tom

Repetir o amor já satisfaz
Dentro do bombom
Há um licor a mais
Ir até que um dia
Chegue enfim
Em que o sol derreta
A cera até o fim
Do alto coração
Mais alto coração

Faça o sinal
Cante uma canção
Sentimental em qualquer tom

Repetir o amor já satisfaz
Dentro do bombom
Há um licor a mais
Ir até que um dia
Chegue enfim
Em que o sol derreta
A cera até o fim
Do alto o coração
Mais alto o coração

Pisca / Claudio Rabello




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto 2: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 25 de julho de 2010

Renascer


De joelhos.
Cabeça inclinada, face voltada para o céu,
ele parecia implorar. Braços estendidos em
total abandono, asas feridas. Só em seu pensar,
sua mente confusa e desesperada ante tantos
fracassos lhe davam a certeza de que falhara. Sua
memória composta de flashes, acertos e erros,
apenas mais dor lhe trazia. Um banido,
incompreendido ser que apenas a paz buscava.
Entre gemidos, já suas tênues forças se exauriam.
Inerte em seus valores já não mais sentia a
venda colocada sobre seus olhos, já não mais
vislumbrava o caminho a ser seguido.
Desistia lentamente.
O fim, aguardava em sua imobilidade.












Há milênios, em um tempo tão longínquo quanto a
felicidade tão desejada o era, belo e altivo ele
fôra. Um anjo sonhador, mas escarnecido por todos
os que o cercavam, por ter a mente repleta de planos,
desejos de paz e compreensão da vida.
Otimista, sempre semeara Amor e afetos, mas só
desafetos e desamor colhera. Insistia,
encarando a tudo e a todos com a certeza que
em um dia não muito distante ele seria
entendido, amado. Sonhares infrutíferos aos
poucos fizeram suas esperanças desvanecerem.
Aos poucos sua altivez, sua vida sucumbia.
Em um resignado marasmo, fechara suas asas
e aguardava, ainda com tênue esperança
uma resposta aos seus apelos. Ainda havia
um resquício de Fé em sua espera.
Quedara imóvel. O Amor o banira.

A espera foi longa.
Apenas sentia o passar do tempo.
Era eterno. Covarde se sentia. Mas em certo
momento, que mal notara, algo aconteceu. Um
toque em seu rosto, com suavidade começara a remover
sua venda. Aos poucos, luz penetrou seus
tristes olhos verdes. Permaneceu imóvel como
a aguardar o fim. Mas, mãos suaves e pequeninas
lentamente começaram a lhe erguer com um misto
de firmeza e carinho. Ele sentiu o Amor. Amor que
jamais pensara haver. Sua voz, um cantar suave.
Palavras cálidas como bálsamo, cicatrizavam as
feridas impostas há tempos por dor intensa. Mas
profundas que eram, deixariam para sempre marcas.

Suas asas, outrora belas e imaculadas que
tão longe o levaram, naquele momento inúteis e
esquecidas, foram limpas renascendo em sua beleza,
mas ao se abrirem e revelarem um novo ser dotado
de fortes e belas asas. Uma branca, outra negra. Renasceu.
Forte mas frágil pelo passado ora lembrado.
Protegido, com amor incentivado em suas tentativas
de vôo alçar. A vontade de voltar a lutar por
seus sonhos voltara. E voava, ainda inseguro.
Amou. E esse Amor, que ele sabia puro e
imenso, despertou afinal a esquecida ânsia
de viver, pois ao seu lado, um maravilhoso anjo,
um ser que em forma de mulher nada lhe pedia.
Apenas... Amor lhe oferecia.

Hoje, depois de tanto abandono e dor, ele
já não mais apenas alça seus vôos. Sente que não mais
sózinho está. E do passado, se foram as
mágoas e as dores, pois busca em sua essência
divina apenas o perdão e a eternidade do Amor,
que o fez ressurgir em seu esplendor.
Sua busca terminara. A vida o aguardava.
Livre e em paz, com o futuro em suas mãos.

carlos miranda (betomelodia)



fontes
imagem: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base da pesquisa de imagem: google

terça-feira, 20 de julho de 2010

Trem das Cores, Caetano Veloso

caetano veloso


Falar sobre Caetano, é complicado.
Em diversas postagens, creio já ter dito e repetido
várias vezes, o que se poderia escrever
sobre esse grande Artista.
Assim, só vou acrescentar como ele vê sua obra:
" O meu material é o banal, contém a dimensão do banal.
Mas não acho que o resultado do meu trabalho seja banal.
Na coisa que faço a dimensão do banal
é absolutamente necessária.
É algo que eu preciso digerir, explicitar
e também que preciso pensar. "

(sic)

carlos miranda (betomelodia)







A franja na encosta
Cor de laranja

Capim rosa chá

O mel desses olhos luz

Mel de cor ímpar


O ouro ainda não bem verde da serra
A prata do trem

A lua e a estrela

Anel de turquesa


Os átomos todos dançam
Madruga
reluz neblina
Crianças cor de romã

Entram no vagão


O oliva da nuvem chumbo
Ficando
p'ra trás da manhã
E a seda azul do papel

Que envolve a maçã


As casas tão verde e rosa
Que vão passando ao nos ver passar

Os dois lados da janela

E aquela num tom de azul

Quase inexistente, azul que não há

Azul que é pura memória de algum lugar


Teu cabelo preto
Explícito objeto

Castanhos lábios

Ou pra ser exato

Lábios cor de açaí


E aqui, trem das cores
Sábios projeto
s
Tocar na central

E o céu de um azul
celeste celestial

caetano veloso




fontes
imagem: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)

base das pesquisas: google

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Eduardo Cambui Figueiredo Juúnior e a Arte por Parte

penumbra

"um rosto em meio a penumbra,
 com um ar introspectivo e misterioso."




eduardo cambuí júnior



A página do mês de julho sobre Arte,
é dedicada ao autor do blog
" Arte de Quem ? ", que agora descobri ser também
autor de um outro blog, " Arte por Parte ", blog em que expõe
seus trabalhos como artísta plástico.

Natural de São Paulo, SP, residindo desde o ano de 2000
em Macaúbas, BA, Eduardo é autodidata e desde
1994, pesquisa e utiliza diversos tipos de materiais
e técnicas para o desenvolvimento de sua Arte, materiais
tais como canetas esferográfica, giz de cera,
acrílico e óleo sobre tela, entre outros.

À seguir, uma pequena mostra de suas criações,
que tenho certeza, apreciarão.

carlos miranda (betomelodia) 




rua das pedras

mulher cubista

pesca noturna

ponte do tempo

fran

pier

tarde de domingo




destaco: sombra da natureza morta


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sábado, 10 de julho de 2010

Acelerou, Djavan



djavan


Djavan  escreveu em torno de 200 canções.
Como um pai orgulhoso, procura não fazer distinção
entre elas, pois como declarou, 

" Estaria me traindo se indicasse uma como predileta."

Autor de sucessos como Flor de Lis, Meu Bem Querer
e Oceano, uma das que mais gosto de interpretar,
lançou uma coleção composta de três "songboocks",
onde são encontradas as letras e cifras
de toda a sua obra, além de algumas inéditas,
tendo dedicado a coleção à quem sempre 
tocou e interpretou suas músicas.

carlos miranda (betomelodia)





Ando tão perdido em meus pensamentos
Longe já se vão os meus dias de paz
Hoje com a lua clara brilhando
Vejo que o que sinto por ti é mais 

Quando te vi aquilo era quase o amor
Você me acelerou acelerou me deixou desigual
Chegou pra mim me deu um daqueles sinais
Depois desacelerou e eu fiquei muito mais 

Sempre esperarei por ti chegue quando
Sonho em teus braços dormir desçansar
Venha e a vida pra você será boa
Cedo que é pra gente se amar a mais 

Muito mais perdido quase um cara vencido
À mercê de amigo ou coisa que o valha
Você me enlouquece você bem que merece
'inda me aparece de minissaia

Sério o que eu vou fazer eu te amo
Nada do que é você em mim se desfaz
Mesmo sem saber o teu sobrenome
Creio que te amar é pra sempre mais

djavan




fontes
imagem: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Um Estranho e Surreal Amor

o nú feminino artístico


Uma das postagens sobre o Amor e o Nú Feminino
que mais gostei de fazer, é a que abaixo
republico. As fortes imagens de Daniel Quellet
dão um toque genial ao pequeno texto que
em uma noite, num intervalo de minha
apresentação em uma casa noturna
na cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul,
rabisquei em um guardanapo e guardei.
O interessante é que havia imaginado o tipo
de imagens criadas por Daniel, embora
não conhecesse ainda seus trabalhos.
Espero que apreciem o resultado.


carlos miranda (betomelodia)





Eu, lânguidamente espero você chegar...

E ao chegar, me abraçar com força,

me prendendo em um mundo de
formas e cores surreais,


onde amamos loucamente,
perdida e irremediàvelmente.


Depois, ao você partir, presa pela paixão,


me ato à você, esperando sua volta.

carlos miranda (betomelodia)


fontes
Imagens: google (Daniel Quellett) - texto: carlos miranda (betomelodia)

base das pesquisas: google