terça-feira, 30 de novembro de 2010

Lembra de Mim, Ivan Lins

... a gente sempre se casava ao luar ...

Rio de Janeiro, minha cidade natal.
Banhos de mar ao luar depois de fazer amor.
Noites calmas, noites de sonhos, com recordações
que permanecerão para sempre em minha memória.


ivan lins


Parte integrante de meu repertório,
esta canção traz boas lembranças de minha
juventude em minha cidade natal, minha maravilhosa
Rio de Janeiro.

Sobre meu conterrâneo Ivan, carioca da gema, pouco há a
dizer-se sobre ele que, já não seja do conhecimento
geral no universo da Música Popular Brasileira,
pois é considerado um dos poucos artistas brasileiros
de maior sucesso em todo o mundo.

( Esta página é uma republicação da postagem de
01/07/2008, que por motivos alheios à minha vontade
foi tirada do ar em setembro de 2009. Recuperei-a !!!  )

carlos miranda (betomelodia) 





Lembra de mim
Dos beijos que escrevi nos muros a giz
Os mais bonitos continuam por lá
Documentando que alguém foi feliz

Lembra de mim
Nós dois nas ruas provocando os casais
Amando mais do que o amor é capaz
Perto daqui há tempos atrás

Lembra de mim
A gente sempre se casava ao luar
Depois jogava nossos corpos no mar
Tão naufragados e exaustos de amar

Lembra de mim
Se existe um pouco de prazer em sofrer
Querer te ver talvez eu fosse capaz
Perto daqui ou tarde demais

Lembra de mim

ivan lins / vitor martins



fontes
imagem: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Todo Azul do Mar, Flávio Venturini


...foi assim como ver o mar...

O que escrever sobre o imenso talento de
Flávio? O que revelar sobre um compositor que aos
três anos já demonstrava atração pela música e aos
quinze começou sua formação com um acordeão,
seu primeiro instrumento musical?
O que ainda não se falou sobre Flávio Venturini
e toda sua maravilhosa obra?
 

flávio venturini


Um breve resumo. Ao ganhar do pai um piano começou
seus estudos sobre percepção musical e, lógico, piano.
Ponto de partida para seus estudos em composição,
arranjos e para participação em vários festivais,
além da criação de várias bandas, entre elas, 
a 14 Bis, obtendo enorme sucesso a nível nacional
e internacional. Sua carreira solo teve início em
1982, com o lançamento de Nascente.

Nesta postagem, em um vídeo editado por minha
querida Ivanete, lembro um de seus grandes
sucessos com a parceria de Ronaldo Bastos,
parte integrante de meu repertório, uma bela composição
cujo título é Todo Azul do Mar.

carlos miranda (betomelodia) 




Foi assim como ver o mar
A primeira vez que meus olhos se viram no seu olhar
Não tive a intenção de me apaixonar
Mera distração e já era momento de se gostar

Quando eu dei por mim nem tentei fugir
Do visgo que me prendeu dentro do seu olhar
Quando eu mergulhei no azul do mar
Sabia que era amor e vinha pra ficar

Daria pra pintar todo azul do céu
Dava pra encher o universo

da vida que eu quis pra mim

Tudo que eu fiz foi me confessar
Escravo do seu amor livre pra amar
Quando eu mergulhei fundo nesse olhar
Fui dono do mar azul de todo azul do mar

Foi assim como ver o mar
Foi a primeira vez que eu vi o mar
Onda azul todo azul do mar
Daria pra beber todo azul do mar
Foi quando mergulhei no azul do mar

flávio venturini / ronaldo bastos




fontes
imagem: google - edição de vídeo: ivanete - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sábado, 20 de novembro de 2010

Desafinado, Paulo Jobim

quarteto jobim morenlebaum

Formado por Paulo Jobim, violão e voz, Daniel Jobim, 
piano e voz, Jaques Morelenbaum, violoncelo e por
Paula Morelenbaum, voz, é um grupo de formação
instrumental e vocal, com característica cameristica que,
com enorme sucesso é voltado para a
perpetuação da obra de Tom Jobim, executando
arranjos fiéis ao do compositor.

O vídeo que abaixo expomos, conta com a participação
especial de um baterista, Domênico Lancelloti,
enriquecendo o quarteto. 

carlos miranda (betomelodia) 




Quando eu vou cantar você não deixa
E sempre vêm a mesma queixa
Diz que eu desafino que eu não sou cantor
Você é tão bonita mas tua beleza também pode se enganar

Se você disser que eu desafino amor
Saiba que isto em mim provoca imensa dor
Só privilegiados têm o ouvido igual ao seu
Eu possuo apenas o que Deus me deu

Se você insiste em classificar
Meu comportamento de anti-musical
Eu mesmo mentindo devo argumentar
Que isto é Bossa Nova isto é muito natural

O que você não sabe nem sequer pressente
É que os desafinados também têm um coração
Fotografei você na minha Rolley-Flex
Revelou-se a sua enorme ingratidão

Só não poderá falar assim do meu amor
Este é o maior que você pode encontrar
Você com a sua música esqueceu o principal
Que no peito dos desafinados
No fundo do peito bate calado
Que no peito dos desafinados
Também bate um coração

antonio carlos jobim



fontes
imagem: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Manabu Mabe, Pioneiro do Abstracionismo Brasileiro


A página de hoje é sobre aquele que é
considerado o pioneiro do abstracionismo no Brasil:




grito


Nascido no Japão em 14 de setembro de 1924, com
sua família chega ao Brasil em 1934, para trabalhar
nas lavouras de café no município de Lins, interior do
estado de São Paulo. Aqui no Brasil, Manabu Mabe teve
o dom pelas artes plásticas desenvolvido rapidamente. Com
parcos recursos, adaptou um ateliê para que pudesse
pintar naturezas mortas e paisagens, em um rústico
espaço, com os materiais de que dispunha.


manabu mabe



Sua primeira exposição se deu em 1948, época em
que era ainda influenciado por sua origem nipônica,
mesclando uma certa dose de abstracionismo
aos caracteres de sua escrita natal.

Após essa primeira mostra, no ano seguinte foi
convidado a participar do Salão Nacional de
Arte Moderna, Rio de Janeiro. No ano de 1953, foi
ganho por ele o prêmio de Melhor Pintura e em 1956,
participou da Bienal de Arte do Japão.

Em 1959, na Quinta Bienal de São Paulo, Mabe obteve
o prêmio de Melhor Pintor Nacional, assim como o
de Destaque Internacional na Bienal de Paris.

Ano, 1986. Mabe realiza uma exposição no MASP,
cidade de São Paulo, lançando seu primeiro livro com 156
reproduções fotográficas de seus trabalhos, em três
idiomas, português, inglês e japonês.

Ano, 1995. Data em que foi lançado seu segundo livro,
uma autobiografia intitulada Chove no Cafezal,
em japonês, publicado originalmente no Japão
em capítulos semanais no jornal Nihon Keizai Shinbum,
Kumamoto, sua região natal. Em 1996 faz uma
viagem ao Japão, para uma mostra retrospectiva de sua Arte.

Em 1997, um insolúvel mistério marcou a vida e as obras
de Mabe. Uma estimativa de 153 telas de sua autoria,
avaliadas em mais de US$ 1,24 milhões, foram perdidas
no mar. O avião em que elas estavam, um Cargo 707
da Varig, desapareceu ao voar sobre o oceano,
trinta minutos após a decolagem de Tóquio. Nenhum
sinal  do avião, corpos ou telas. Nada. Esse fato
é considerado até os dias atuais, como o maior mistério
da aviação em todo o mundo.

Em São Paulo, cidade em que o artista se naturalizou
cidadão brasileiro, diabético, Manabu Mabe
morreu em decorrência de um transplante de rim, feito
em 22 de setembro de 1997.

carlos miranda (betomelodia) 


silêncio

explosão do progresso

caráter

existência

abstrato

desenvolvimento

alegria, um dia feliz



destaque: sem título, a última tela pintada por manabu mabe



fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Oceano, Djavan

... longe de ti tudo parou ...

Para minha quinta edição de vídeo, escolhi
uma composição de Djavan que ocupa um lugar
de destaque em meu repertório, pela beleza, pela
poesia em sua letra e por sua perfeita
linha melódica. Oceano.


djavan


Em Maceió aos onze ou doze anos, um menino chamado
Djavan Caetano Viana ocupava seu tempo entre as partidas
de futebol e um equipamento de som na casa de um amigo da escola.
A opção pelo futebol quase prevaleceu. Um eficiente meio-campista
do clube CSA, tinha toda a chance de uma bela carreira profissional
como jogador de futebol.

Mas, o pequeno alagoano tinha outras ideias.
Aquele aparelho de som do pai de seu colega da escola,
que parecia guardar toda a música do mundo o cativou, fez
com que um forte desejo de cantar, compor, tocar um
instrumento o cativasse. Escolheu a Música.

Assim, o universo da Música Popular Brasileira saiu
ganhando. Nasceu Djavan, um gênio da musicalidade sem limites.
Ouçam e digam se a canção que integra o vídeo por mim editado,
não é um clássico. Ouçam e viajem por uma daquelas raras canções
que nos falam a alma, perfeita em forma, conteúdo, música e letra.
Oceano, uma obra prima de um Mestre, Djavam.

carlos miranda (betomelodia) 






Assim
Que o dia amanheceu
Lá no mar alto da paixão
Dava prá ver o tempo ruir
Cadê você
Que solidão
Esquecera de mim

Enfim
De tudo o que
Há na terra
Não há nada em lugar
Nenhum
Que vá crescer
Sem você chegar
Longe de ti
Tudo parou
Ninguém sabe
O que eu sofri

Amar é um deserto
E seus temores
Vida que vai na sela
Dessas dores
Não sabe voltar
Me dar teu calor

Vem me fazer feliz
Porque eu te amo
Você deságua em mim
E eu oceano
E esqueço que amar
É quase uma dor

Só sei viver
Se for por você


djavan




fontes
imagem: google - texto e edição de vídeo: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Pergaminhos do Mar Morto - Enigmas do Mundo



pergaminho do mar morto

" Não pagarei homem algum com o mal. Persegui-lo-ei com a bondade,
pois que o julgamento de todos os vivos cabe a Deus,
e é Ele quem irá entregar ao homem seu prêmio. "

(Do "Hino ao Preceito da Comunidade", da Filosofia Essênia)




vale de khirbet, qunram


Ano, 1947. Mês, Abril, Local, o vale de Khirbet Qunram, junto às encostas do Mar Morto. Uma ovelha se desgarra de um rebanho e pelas fendas da encosta segue. Juma Muhamed, seu pastor, sai atrás dela. Nota que há uma grande fenda entre duas imensas rochas. Ele precisa recolher logo seu rebanho e assim atira uma pedra pela abertura da fenda, pensando estar ali a ovelha desgarrada, quando ouve o ruído de um vaso de barro que se partia. Vai verificar e no vaso quebrado, vê vários rolos de pergaminhos. Para a arqueologia, um marco na História. A descoberta dos Pergaminhos do Mar Morto.


cavernas de qunram


Mas anos mais tarde, em 1956, ocorreria uma segunda descoberta. Perambulando pelas muitas encostas rochosas em busca de cavernas, estavam quatro irmãos beduinos. De repente o mais velho vê uma fenda em uma rocha e vai ver o que seu interior continha. Na fraca luminosidade do interior da fenda, aos poucos  se forma a imagem de um jarro. Volta para onde estavam seus irmãos e os avisa de sua descoberta. Todos correram para a fenda.  Um segundo irmão descortina outro jarro ao lado do descoberto pelo irmão. Então outro irmão olha e descobre mais um vaso. Resolvem retirá-los da fenda...


o quinto evangelho, de tomé


 Após esta nova descoberta, mais 11 cavernas com
 vasos contendo pergaminhos foram encontradas, alguns com
centenas de manuscritos que, analisados pelo método do
carbono 14, estimaram a data  de origem dos mesmos entre o
terceiro século AC até o ano 68 DC. Foram escritos em três
idiomas, Hebreu, Aramaico e Grego, em um assombroso
total de mais de mil obras. Mas a pergunta sem resposta é,
por quem, qual civilização os escreveu e os ocultou?
Os essênios foram realmente os autores?
E o que se sabe sobre essa civilização?

( clique aqui e saiba mais sobre o evangelho de tomé )


o mar morto visto de massada

Incluindo diversos temas ou manuais sobre hinários,
disciplinas, escritos apocalípticos, Livro de Isaías, vários
comentários bíblicos, além de quase a totalidade do
Antigo Testamento, os estudiosos classificam os
manuscritos em três tipos ou grupos: Bíblicos, contendo
todos os livros da Bíblia, exceto Ester;  Sectários, pergaminhos
relacionados com a seita, que incluem visões do Apocalipse e
trabalhos de liturgia, e o terceiro grupo, Apócrifos, que são
os livros sagrados excluídos da Bíblia.


manuscrito de bar kokhba


manuscrito habbakuk, comentários sobre a bíblia


manuscrito o livro da guerra










Com base nos pergaminhos descobertos,
foi atribuída aos essênios o legado de seus ensinamentos
secretos, os quais precederam o cristianismo e aos quais
Jesus deve ter tido acesso. Uma referência sobre essa
descoberta nos revela uma interessante teoria, conforme
um parcial relatório do arqueólogo inglês
G. Lankester Harding:




" A mais espantosa revelação dos documentos essênios até agora publicada é a de que os essênios possuíam, muitos anos antes de Cristo, práticas e terminologias que sempre foram consideradas exclusivas dos cristãos. Os essênios tinham a prática do batismo, e compartilhavam um repasto litúrgico de pão e vinho presidido por um sacerdote. Acreditavam na redenção e na imortalidade da alma. Seu líder principal era uma figura misteriosa chamada o Instrutor da Retidão, um profeta-sacerdote messiânico abençoado com a revelação divina, perseguido e provavelmente martirizado." (sic)



mar morto visto das cavernas de qunram

Os arqueólogos afirmam que muitas das frases,
preceitos e símbolos da literatura essênia são usados
no Novo Testamento, sendo encontrados principalmente no
Evangelho de João e nas Epístolas de Paulo.
O uso do batismo por João Batista levou os estudiosos
do assunto a crer que, ou ele era essênio  ou foi muito
influenciado pela cultura essênia. Os pergaminhos fortalecem
a teoria de que Jesus tenha sido discípulo da filosofia
dos essênios e, faz notar que apesar de severas críticas
sobre duas outras seitas, os saduceus e os fariseus,
o Novo Testamento jamais menciona os essênios.


o museus de israel, onde estão os manuscritos

Considerado o achado do século XX, principalmente
porque a Bíblia por nós conhecida é originária de uma tradução
do idioma grego, datada de pelo menos mil anos após a dos
manuscritos do Mar Morto que, preservados por cerca de
dois mil anos nas cavernas de Qunram, hoje estão no guardados
no Museu do Livro, em Jerusalém.
Desde então, a tradução e divulgação do conteúdo
dos vários manuscritos têm atraído a atenção mundial,
gerando uma grande expectativa quanto a possíveis
segredos ainda não revelados.


praia ao sul do mar morto

Essênios... autores de muitas maravilhas mas que
se perderam no tempo, na memória da humanidade.
Nos dias atuais desconhecemos sua existência, sua cultura, o que
é uma lástima pois seus preceitos sociais, segundo os vários
estudiosos dessa seita, são admiráveis e benéficos.
Assim continua o enigma. Vieram realmente do Egito?
E o que mais importante me parece ser, de onde
trouxeram a sabedoria e os preceitos de retidão,
de uma ética à toda prova, que a eles se atribui em meio
ao caos que em seu tempo existia? Talvez os pergaminhos
ainda nos forneçam a resposta. Quem sabe...

carlos miranda (betomelodia)


mar morto, possível localização de sodoma e gomorra ?



fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google