quinta-feira, 30 de junho de 2011

Primeira Expedição

dedo de deus - magé, rj

Teclado à frente. Pensamento lá para trás no
tempo e no espaço, em um mundo agora tão diferente e
distante. Mãos inertes, o monitor estático, aguardando.
Impaciente. A imagem do protetor de tela apareceu.
Uma dança da memória. Único movimento no ambiente.
Palpáveis recordações brotaram então.



 


Noite. Olhando pela janela de seu estúdio, observa
as nuvens tingidas de vermelho pelas luzes da cidade.
Parece estar em outro planeta. Céu vermelho é diferente,
mexe com a imaginação. Surrealismo e nostalgia. 
Guapimirim, Parada Modelo, Magé, Teresópolis,
nomes que sempre surgem em suas lembranças.

Lugares em que viveu, em que conquistou a liberdade aos 14 anos,
e que muitas recordações de aventuras e descobertas,
ele com carinho guarda e busca, como apoio em sua
solidão, em seu abandono. Boas lembranças que
marcaram sua vida para sempre.

Havia uma estrada de ferro que a serra vencia,
levando, trazendo passageiros e coisas
em seu ir e vir. Mas ele não chegou a ver sequer
os seus trilhos, retirados antes de sua
mudança para Parada Modelo. Deles, guias
seguros das locomotivas e vagões, só histórias
ouviu contarem e, saudades nas narrativas dos
moradores locais ele percebia. Não, ele não entendia
ainda o motivo da extinção de algo tão bom e
necessário, às pessoas que ali moravam.

a estrada de ferro

Disseram os mais velhos das belezas naturais
que pelas janelas dos vagões eram descortinadas, ao
recordarem sua construção em narrativas bonitas, poéticas
e interessantes das obras que iniciadas em 1901,
tiveram sua conclusão em Teresópolis no
ano de 1908. Lamentaram a desativação
em 1957, despertando sua curiosidade sobre o local.

ponte sobre o rio paquequer em 1925

Resolveu verificar as histórias e subiu o leito
abandonado da antiga estrada de ferro.
Foi em meio ao silêncio e a uma brisa suave, que sentou-se
e bebeu em grandes goles a beleza da paisagem.
Admirado ficou, imaginando a ousadia dos homens,
ao abrirem por tão acidentada região, caminho para uma
ferrovia, a engenhosidade para vencer grandes desafios,
a conquista da Natureza em nome do progresso.
Hoje, ao lembrar o abandono daquele belo trabalho, ele
pensa que deveria ter sido preservado como homenagem
aos seus idealizadores e construtores.

aterro que resistiu ao tempo

Não completou todo o percurso, o cansaço e o medo
de atravessar os restos da ponte sobre o Rio Paquequer
venceram, e ele pôs-se a descer , a fazer o caminho de volta,
mas não sem sentir-se um verdadeiro desbravador,
a imaginar que a vida em um lugar tão bonito e diferente,
Parada Modelo, haveria de ser muito boa e proveitosa.
E foi.

ruinas da ponte sobre o rio paquequer

Ao chegar em casa, final de aventura, levantou os olhos

com respeito à serra que havia acabado de visitar e
saudando o entardecer, prometeu a si novas e
emocionantes expedições...


carlos miranda (betomelodia)





Publicou a "Primeira Expedição", salvou seus arquivos,
recolheu o teclado, desligando em seguida o
monitor. Levantou de sua poltrona, olhou para seu
pequeno mundo e apagando as luzes, apagou
a si e as suas memórias até a manhã seguinte...

 



fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sábado, 25 de junho de 2011

Santa Rosa, as Muitas Faces da Arte

figura grega


Na página de hoje, sobre nossa imensa miríade de grandes
Mestres nas Artes Plásticas, vou mostrar um pouco das obras de
um paraibano lá de João Pessoa, que além de ter muitas e muitas
aptidões, foi grande admirador de Picasso e Portinari.




Nascido em 20 de setembro de 1909, Tomás Santa Rosa Júnior,
morreu em Nova Delhi, Índia, em 29 de novembro de 1956.
Seu trabalho abrangia  a pintura, ilustração, gravação,
artes gráficas, cenografia, decoração, figurinismo, professor e
a crítica de artes.  Como coreógrafo, é tido como o
primeiro coreógrafo moderno do Brasil.

Anos à frente de seu tempo, como ilustrador não cuidava apenas
 da capa do livro. Foi pioneiro no desenvolvimento
de identidades visuais para os mesmos.
Hoje, o profissional que exerce esse tipo de atividade
é chamado de designer gráfico.

Santa Rosa, ao participar da Conferência Internacional
de Teatro na cidade de Nova Délhi, Índia, como integrante da
comissão brasileira enviada para a Conferência Geral
da Unesco sobre Educação, Ciência e Cultura, de um
mal súbito veio a falecer.

Abaixo, algumas de suas criações, uma pequena
mostra de seu talento nas Artes Plásticas, às quais chamo
sua atenção para as telas "pescadores", onde nota-se a
influência de Picasso e Portinari.
Beijos no coração...

carlos miranda (betomelodia) 




meninas lendo

meninos

mulheres na praia

pescadores

na praia

pescadores





destaco: o vento


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
pesquisas: google

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Corcovado, Maybelline

estátua do cristo redentor - corcovado - rio de janeiro, rio de janeiro, brasil


É uma grande satisfação para mim brasileiro, ver em
terras tão distantes a nossa Música Popular Brasileira sendo
interpretada em outros idiomas mas, quando ela
é cantada no nosso, português, o orgulho é maior. 


maybelline e gerard vogel


Conheci a May, por meio do YouTube,  impressionando-me com
a sensibilidade que ela empresta às canções aqui do
nosso Brasil. Admiro-a por divulgar a Bossa Nova, minha "praia", nas
terras de minha origem materna, a Holanda, de um modo
todo especial, carinhoso e gentil.

Assim, em uma humilde homenagem, dedico esta página
à Maynelline, assim como a todos os que divulgam a cultura
brasileira, muito além de nossas fronteiras.

carlos miranda (betomelodia)





Um cantinho um violão
Este amor uma canção
Pra fazer feliz a quem se ama

Muita calma pra pensar
E ter tempo pra sonhar
Da janela vê-se o Corcovado
O Redentor que lindo

Quero a vida sempre assim
Com você perto de mim
Até o apagar da velha chama

E eu que era triste
Descrente deste mundo
Ao encontrar você eu conheci
O que é felicidade meu amor

O que é felicidade o que é felicidade
O que é felicidade meu amor

tom jobim



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Dama de Vermelho


Sentados lado a lado, um casal almoçava
observando tudo ao redor. A comida não era
lá essas coisas, mas como a fome era muita, eles a
saboreavam com grande prazer. Salão lotado.


Pessoas de vários níveis sociais ali estavam, solitários,
mergulhados em seus pensamentos e atentos ao
ato de, literalmente, devorar o que no prato havia.
No grande salão, algumas mesas à frente,
um já grisalho senhor acomodou-se ao lado
de outro, que calma e compassadamente almoçava.
Ele arrumou a bandeja à sua frente, levou a mão à boca,
retirou a dentadura que foi  guardada no bolso da
surrada camisa e  começou a almoçar. Após terminar,
com insistência fazia sinais ao que estava
sentado ao seu lado, oferecendo a carne que
ele não conseguira comer. Seu vizinho ignorava.
Depois de muito tentar, demonstrando já certa
irritação, outro senhor que ocupava a mesa frente
dos dois e que a tudo presenciava, avisou por
gestos que seu vizinho de mesa era cego. Então, ele
ostensivamente afastou sua bandeja, pegou sua
dentadura no bolso e colocando-a, retirou-se do salão.
O outro, impassível, terminou sua refeição.

Ao lado, em uma outra mesa, um rapaz almoçava
sôfregamente. Comeu tudo, levantou e dirigiu-se ao
balcão onde novamente foi servido. Voltou para a mesa,
despejou tudo em uma garrafa pet de dois litros cortada,
olhando disfarçadamente para os lados. O ato foi repetido por
três vezes. A garrafa repleta de comida foi escondida em
uma blusa suja. Apressadamente saiu do salão.



restaurante popular, porto alegre, rs


Mas o que aconteceu em seguida marcou o almoço
de uma forma surrealista. Com extrema elegância no andar
e no vestir, expressão altiva e nobre, usando um clássico
chapéu combinando com seu vestido vermelho e com seus
acessórios, uma senhora caminhava soberana, vindo na
direção deles. Todos os olhares se dirigiram à ela.
Parando a meio caminho, escolheu uma mesa e sentou.
Com classe,  colocou a bandeja à sua frente, retirou
de sua bolsa talheres e sua própria salada, arrumou tudo
com delicadeza, com finos gestos. O fato seria considerado
normal se não estivesse ela entre pessoas humildes, em
sua maioria  catadores de papéis e moradores de rua.
O casal, intrigado por ela ali estar, conjeturava se
seria ela uma rica solitária ou uma alma decadente,
alienada em um mundo de recordações. Em sua
maioria, as pessoas que ali entravam alimentavam-se
e voltavam à realidade das ruas, para muitos, o lar.

O casal terminou sua refeição e em agradecido silêncio,
sabedores que para eles toda aquela situação era
provísória, saíram. Embora ainda não soubessem como,
tinham esperança de que mudariam a realidade daqueles
dias e num futuro próximo, voltariam ali não mais com
um vale refeição gratuito, mas sim pagando o preço
cobrado pela refeição, R$ 1,00,  naquele abençoado
Restaurante Popular.


carlos miranda (betomelodia)



fontes
imagens: google  - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google


sábado, 11 de junho de 2011

Tomie Ohtake, Uma Brasileira de Origem Nipônica



Na cidade de Kyoto, Japão, em 21 de novembro de 1913,
nascia uma Artista Plástica brasileira. Sim, brasileira. Vou explicar.


tomie ohtake

Japão. Na cidade de Quioto em 21 de novembro
de 1913, nasciaTomie Nakakubo.
Em sua juventude, Tomie, em uma conversa com
seus pais, revelou a vontade que sentia de estudar
Artes. A resposta  deles pais foi negativa, pois como
era costume na época, ela era preparada para a vida familiar,
ou seja, casar e ter muitos filhos. Anos depois, em 1936,
Tomie e seus familiares mudaram-se para o Brasil,
onde então conheceu e casou-se com Ushio Ohtake.

Mas, no ano de 1952, o antigo desejo de ingressar no
mundo das Artes foi reaceso ao conhecer Keisuke Sugano,
um pintor de origem japonesa que estava expondo suas obras
em São Paulo. Ele aconselhou-a a seguir seus ideais,
libertar a Artista que em seu íntimo estava aprisionada
pelos afazeres domésticos.

Ela então, de uma pequena sala criou seu ateliê, iniciando
sua carreira pintando paisagens paulistas.
 Aos 42 anos, decidiu trocar o figurativismo pelo abstracionismo,
pois conforme suas palavras, pretendia "pintar o que vinha
do coração e não apenas o que via".
Tomie, em 1968 naturalizou-se brasileira.

Vamos conhecer um pouco da Arte de Tomie Ohtake,
nas imagens que abaixo ilustram esta página. Sei que apreciarão. 

carlos miranda (betomelodia) 















meu destaque



fontes
imagens: google - textos: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

( obras não tituladas pela autora )

domingo, 5 de junho de 2011

Aquarela, Toquinho

toquinho


Particularmente, quando penso em Toquinho lembro de Aquarela.
Para mim, dentre muitas outras, esta é sua marca registrada. Lembra
minha estada na Argentina, quando tinha que a cantar várias
vezes em minhas apresentações. Era o "hit" da época.

Falar de Toquinho é ser repetitivo, já que sobre ele, dado ao seu enorme talento,
muito já foi dito e todos conhecem suas obras, sua vida. Então, a página de
hoje vai ser em homenagem à ele, mas também para a edição de vídeo de minha
querida esposa, Ivanete.

Para ilustrar a canção ela criou uma série de pinturas virtuais,
que nos conduzem em viagem pela letra, embalados pelos acordes da melodia.
Sei que vão gostar.

carlos miranda (betomelodia)




Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva
E se faço chover com dois riscos tenho um guarda-chuva
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu

Vai voando contornando a imensa curva norte e sul
Vou com ela viajando Havaí Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela brando navegando tanto céu e mar num beijo azul

Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo com suas luzes a piscar
Basta imaginar e ele está partindo sereno e lindo
Se a gente quiser ele vai pousar

Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida
De uma américa a outra eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro está

E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar
nNão tem tempo nem piedade nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda a nossa vida e depois convida a rir ou chorar

Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela
Que um dia enfim descolorirá

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
Que descolorirá
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Que descolorirá
Giro um simples compasso num círculo eu faço o mundo
Que descolorirá

toquinho / vinicius de moraes / g.morra / m.fabrizio



fontes
imagem: google - edição de vídeo: ivanete (iva souza) - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google