quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Lá Vem a Baiana, com Teresa Cristina e Jussara Silveira

betomelodia.blogspot.com



" Escrevi 400 canções e Dorival Caymmi 70. Mas ele tem 70 canções perfeitas e eu não."
Caetano Veloso


Observando o povo baiano, suas tradições e hábitos no dia a dia, ele compunha. Ele foi um homem
de muitos talentos pois além da Música, foi ator e pintor, um homem que em sua vida divulgava
o amor em suas obras. Seu nome é reconhecido nesse nosso mundão de Deus por sua
calma, naturalidade e riqueza sensual nas melodias: Dorival Caymmi.

Sobre Caymmi já dissertei aqui em meu blog, lembrando que sua obra foi e continua sendo
perpetuada por grandes nomes da Música Brasileira e também por novos cantores. Ao morrer
em 2008, além de belas composições e pinturas, perpetuou seu viver entre nós por meio de seus
filhos, também cantores: Nana Caymmi, Danilo Caymmi e Dori Caymmi.

Para a postagem de hoje, selecionei uma de suas composições que foi parte de meu repertório,
escolhendo duas talentosas intérpretes da nova geração de nossa MPB: Teresa Cristina e
Jussara Silveira interpretando "Lá Vem a Baiana", em um irreverente duo.


dorival caymmi


“ Comecei a cantar por causa de Candeia. Achava que meu primeiro disco seria em
homenagem a ele, mas segui outro caminho. Minha vida se divide em
a.C. e d.C. : antes de Candeia e depois de Candeia."
Teresa Cristina

Carioca, sambista, iniciou sua carreira apresentando-se um bares na cidade do Rio de Janeiro,
principalmente em Madureira, cantando composições de Monarco, Argemiro da Portela
e de outros grandes nomes do Samba. Ao começar a apresentar-se no Bar Semente
em 1998, é tida como principal responsável pela reativação da Música na Lapa.


 “ Uma voz carregada de sentidos, que vão se desnudando aos poucos.”
Arnaldo Antunes

Mineira, criada em Salvador, Bahia, sua carreira foi influenciada por Paulinho da Viola, pelo
violão de João Gilberto e por Nana Caymmi e suas interpretações. Foram seis anos
para sua estréia como cantora no Teatro Castro Alves, maior casa de espetáculos
da Bahia, a porta de entrada para sua carreira. A partir daí, tem cantado nas
mais importantes casas de shows de São Paulo, Rio de Janeiro e outra
 cidades do Brasil e do exterior. Ela é Jussara Silveira.

carlos miranda (betomelodia)



Lá vem a baiana de saia rodada sandália bordada
Vem me convidar para sambar mas eu não vou
Lá vem a baiana coberta de contas pisando nas pontas
Achando que eu sou o seu iôiô mas eu não vou

Lá vem a baiana mostrando os encantos falando dos santos
Dizendo que é filha do Senhor do Bonfim mas pra cima de mim
Pode jogar seu quebranto que eu não vou
Pode invocar o seu santo que eu não vou
Pode esperar sentada baiana que eu não vou

Não vou porque não posso resistir à tentação
Se ela sambar eu vou sofrer
Esse diabo sambando é mais mulher
E se eu deixar ela faz o que bem quer

Não vou não vou não vou nem amarrado porque sei
Se ela sambar hum hum hum hum hum hum

dorival caymmi



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 28 de dezembro de 2014

Me Ensina a Escrever, Oswaldo Montenegro

betomelodia.blogspot.com

Oswaldo Montenegro. A postagem de hoje é a sexta que faço sobre esse incrível Músico,
autor de muitas das mais belas páginas da Música Brasileira e por quem nutro grande
admiração. Segundo sua declaração, decidiu seguir a carreira musical ao na infância ir
morar em Minas Gerais. Lá, aconteciam reuniões semanais com seus pais e outros
amigos, amantes da boemia e da boa Música.

Ele conta que certa vez ao acordar, no ar pairava o som de um clarinetista que em meio
à manita matutina, tocava para ninguém. Foi assim que, ao olhar por aquela janela,
ouvindo aquela doce melodia, ele decidiu o que faria pelo resto de sua vida.
Bendita Minas Gerais e sua neblina; bendito instrumentista solitário;
bendita decisão de um jovem chamado Oswaldo Montenegro.


oswaldo montenegro


Escolhi para ilustrar esta postagem uma de suas composições que embora aparente ser
apenas uma romântica poesia, em realidade é um desafogo para quem escreve e é o
tema de "Me Ensina a Escrever": as folhas em branco. Nelas é que colocaremos as
nossas emoções, mensagens e sempre com a incerteza sobre se devemos ou
não despir nossos sentimentos ao expressá-las. 

carlos miranda (betomelodia) 




Meu amor
Me ensina a escrever a folha em branco me assusta
Eu quero inventar dicionários palavras que possam tecer
A rede em que você descansa e os sonhos que você tiver

Meu amor
Me ensina a fazer uma canção falando quanto custa
Trancar aqui dentro as palavras calando e querendo dizer
Não sei se o poema é bonito mas sei que preciso escrever

Meu amor
Me ensina a escrever a folha em branco me assusta
Eu quero inventar dicionários palavras que possam tecer
A rede em que você descansa e os sonhos que você tiver

Trancar aqui dentro as palavras calando e querendo dizer
Não sei se o poema é bonito mas sei que preciso escrever


oswaldo montenegro



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Noite Feliz, Por Um Natal Todos Os Dias



Que neste final de 2014, o Coelhinho da Páscoa e sua cesta repleta de fantasias
carnavalescas, o Rei Momo distribuindo os presentes do Dia das Crianças,
Papai Noel como destaque em uma escola de samba iluminada por
fogos de artifícios, ao som de um belo samba enredo que ao
anunciar o nascer de 2015, tornem as aspirações da
humanidade em uma realidade repleta de Paz
e muito, muito Amor ao próximo.

carlos miranda (betomelodia)





O vídeo acima é com o clássico Noite Feliz, uma composição do padre
Joseph Mohr e musicada por Franz Gruber, criada na cidade de
Oberndorf, Áustria, no ano de 1818.

Sendo brasileiro, "carioca da gema", escolhi manter esta edição
em comemoração ao Natal e Ano Novo de 2014 pois, com
o solo de cavaquinho e o acompanhamento em ritmo de Samba,
representa muito bem a nossa Cultura Musical.

Desejo aos meus leitores, seguidores e amigos do meu Blog, Facebook, 
Pinterest, Google+ e outros meus espaços na Web, Boas Festas
e um Novo Ano repleto de Amor, Fraternidade e Paz.
Beijos fraternos no coração de todos.

carlos miranda (betomelodia)



fontes
imagens: google - edição de vídeo e texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google / youtube

obs: não foi possível identificar com certeza o autor do solo de cavaquinho, que creio ser diego junior.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Claudio Vinicius, o Poeta das Cores

rio manbucaba, angra dos reis, rio de janeiro

Os temas de suas telas são variados: temas modernos, clássicos ou abstratos mas, sua
preferência são as paisagens. Cláudio Vinícius Rodrigues, ou como assina suas telas,
Cláudio Vinicius, nasceu em Belo Horizonte, cidade que é a capital do Estado de
Minas Gerais no ano de 1965. Foi lá que aos treze anos iniciou nas Artes.


claudio vinicius

Foi um início difícil, em que tinha que percorrer um longo caminho pela cidade
até o município de Pedro Leopoldo, região metropolitana de Belo Horizonte com
todo o material de pintura, para as aulas que tinha com o pintor Raimundo Costa, com
quem teve as noções preliminares sobre as percepções dos temas, técnicas e cores.
Geralmente Ia aos sábados e voltava aos domingos mas por vezes, passava a
semana lá pintando e só voltava para casa no fim de semana seguinte.

Anos depois, Cláudio conhece Alberto Braga, por quem já nutria grande grande
admiração pelo forte colorido de suas telas. A amizade entre os dois foi decisiva para
o aperfeiçoamento de sua técnica e pela magia das cores em seus trabalhos, o
que abriu-lhe as portas para reconhecimento nacional e internacional. Abaixo, uma
pequena seleção de suas obras que sei, muito apreciarão.

carlos miranda (betomelodia)




estrada mineira

paisagem exuberante

riacho

rio piracicaba

ponte sobre o rio, com ipê amarelo
estrada em dionisio, minas gerais
volta de estrada
aguadouro
tranquilidade



destaco: ponte velha na cachoeirinha


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Vambora, Adriana Calcanhoto

betomelodia.blogspot.com


Ela é compositora e cantora, nascida na capital do Estado do Rio Grande do Sul,
Porto Alegre, em outubro de 1965. Eclética, adota em suas composições variados estilos
tais como pop, bossa nova, balada e samba, mas não deixando de resgatar e
interpretar em belos arranjos, clássicos da Música Popular Brasileira.
Ah, seu nome: Adriana Calcanhoto.

Penso que apesar de ser filha de Carlos Calcanhoto, baterista de jazz e bossa nova e de
uma professora de educação física e bailarina, Morgana Assumpção Cunha, foi seu avô que
despertou-a para a Música, ao presentear a neta com um violão aos seis anos e sob a
influência da MPB, Adriana aprendeu a tocar e a cantar.



adriana calcanhoto

Foi nos bares de Porto Alegre que iniciou sua carreira artística, em seu estilo próprio
que é voz e violão. Seu reconhecimento à nível nacional deu-se no ano de 1990 com
a composição de João Donato, Caetano Veloso e Ronaldo Bastos, Naquela Estação,

Música que foi tema de uma novela.

Escolhi para ilustrar a postagem de hoje, Vambora, de sua autoria e que

foi parte de meu repertório. 

carlos miranda (betomelodia)





Entre por essa porta agora e diga que me adora
Você tem meia hora pra mudar a minha vida vem vambora
Que o que você demora é o que o tempo leva

Ainda tem o seu perfume pela casa ainda tem você na sala
Por que meu coração dispara quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro dentro da noite veloz

Ainda tem o seu perfume pela casa ainda tem você na sala
Porque meu coração dispara quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro na cinza das horas

adriana calcanhotto



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Primeiro Amigo



" Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre,
jamais sofrerá de solidão. Poderá morrer de saudades,
mas não estará só." Amyr Klink


carlos miranda (betomelodia)

Como sempre, rolava a laranja para seu amigo, no piso da pequena varanda.
Ele a rolava de volta, sorrindo. Assim passavam as tardes na
brincadeira inocente, a rir e conversar.

carlos miranda (betomelodia)





O apartamento. Ele lembra. Morava com seus avós maternos no bairro da Tijuca, zona norte
da cidade do Rio de Janeiro. Não lembra a rua mas sabe que o apartamento era térreo
e próximo à praça Saenz Peña. Pequeno, franzino e feliz. Protegido e querido por todos, tinha o 
que de melhor um menino de seis anos poderia ter: um amigo, que brincava, que contava
coisas estranhas de um distante outro lugar, coisas que um dia os dois fariam.

As brincadeiras. Por vezes, além de rolarem as laranjas um para o outro, rolavam também
desentendimentos: muita força, má pontaria, a falta de vontade de brincar ou devolver a
laranja, eram em sua maioria o motivo para brigas e choros que os avós, carinhosamente
chamados de Pai Velho e Mãe Velha, com ternura acalmavam seu choro dizendo:
" não precisa mais chorar, ele já foi embora
Mas sabia que não era verdade pois eles fingiam não ver seu amigo em um canto, rindo de
seu choro. Porque eles mentiam? Ele ria alto até fazendo caretas. Mas eles fingiam não ver.

O fim da amizade. Brincando os dois na varanda, certo dia ele viu seus pais, avós e outras
pessoas que ele não conhecia, olhando para os dois com expressões estranhas. Ele achou
normal porque eles eram rápidos e precisos na brincadeira. Isso os deixava espantados,
porque ele só tinha seis anos, só podia ser isso.  Mas sua mãe correu até ele pegou-o no
colo tirando de suas mãos a laranja, jogando-a longe sem ao menos olhar para seu
amigo que encolhido em seu canto ficou quieto, triste e sozinho. Em seguida ela saiu correndo
da varanda, chorava alto, com ele nos braços. Sem entender o que tinha acontecido,
o que tinha feito de errado, ele também chorou muito. 

Depois. Não mais o deixaram ir à varanda. Não mais viu seu amigo. Ficou só. E logo seus
pais mudaram do apartamento de seus avós. Bem mais tarde, quando ele perguntava
à eles sobre o que havia acontecido na varanda, as respostas eram: "não lembro, filho".
Certo Dia, Mãe Velha revelou o misterioso segredo: naquela tarde, intrigados por seu riso
alto e mais alegre que o costume, foram até a varanda ver o que estava acontecendo.
E viram. A laranja que ele rolava em direção à parede oposta, onde estava seu amigo,
antes de bater na parede parava bruscamente, como se fosse segura por mãos invisíveis.
Viam que a laranja após um pequeno impulso , rolava rapidamente de volta
para ele! Só não conseguiam ver Jorginho, seu primeiro amigo. 

carlos miranda (betomelodia)



fontes
imagens: google / betomelodia - texto: carlos miranda (betomelodia)


sábado, 13 de dezembro de 2014

Meu Mundo e Nada Mais, Daniel

betomelodia.blogspot.com


" Sou um pouco de tudo e o que mais me inspira é o amor,
departamento mais fascinante do ser humano,
que foge à racionalidade e é um mundo vasto, profundo."
guilherme arantes


São Paulo ainda não sabia mas, no final de julho de 1953, nascia um instrumentista,
compositor e cantor em suas terras: Guilherme Arantes. Podemos afirmar que foi um menino
prodígio, pois aos quatro anos já dominava o bandolim, o cavaquinho, e surpreendendo
à todos ao tocar piano aos seis anos. Digamos que, autodidata por rebeldia, deixava
seus professores e as lições de lado, discutindo seus métodos. E como não poderia
deixar de ser, profissionalizou-se aos quinze anos.


daniel

Creio que sua precocidade deve-se ao fato de ter sido influenciado por sua família,
amantes da Música Brasileira, o que levou-o a abandonar o curso de arquitetura ao
completar vinte e três anos e dedicar-se inteiramente à Música.

O reconhecimento à nível nacional e internacional, veio em 1976 com a composição
Meu Mundo e Nada Mais, tema da postagem de hoje e que veio a consolidar sua
carreira solo. O ecletismo faz parte de sua carreira musical, pois Guilherme dos
chorinhos aos quatro anos, navegou pelo rock, pop, mpb e new age,
adotando a mpb como sua preferência. Vida longa, Guilherme Arantes.


Mas esta postagem é especial: a perfeita interpretação de um também eclético
Músico, Daniel. Com o autor ao piano e à frente da orquestra, Daniel dá um show,
ao na gravação emocionar profundamente Guilherme, que vai às lágrimas.
Vida longa, Daniel, parabéns por tua excelente interpretação.

carlos miranda (betomelodia) 




Quando eu fui ferido ví tudo mudar das verdades que eu sabia
Só sobraram restos que eu não esqueci toda aquela paz que eu tinha 
Eu que tinha tudo hoje estou mudo estou mudado 
À meia-noite à meia-luz pensando daria tudo por um modo de esquecer 

Eu queria tanto estar no escuro do meu quarto
À meia-noite à meia-luz sonhando 
Daria tudo por meu mundo e nada mais

Não estou bem certo se ainda vou sorrir sem um travo de amargura
Como ser mais livre como ser capaz de enxergar um novo dia 
Eu que tinha tudo hoje estou mudo estou mudado 
À meia-noite à meia-luz pensando daria tudo por um modo de esquecer 

Eu queria tanto estar no escuro do meu quarto
À meia-noite à meia-luz sonhando 
Daria tudo por meu mundo e nada mais

Eu que tinha tudo hoje estou mudo estou mudado 
À meia-noite à meia-luz pensando daria tudo por um modo de esquecer 

Eu queria tanto estar no escuro do meu quarto
À meia-noite à meia-luz sonhando 
Daria tudo por meu mundo e nada mais

guilherme arantes 



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Tulio Dias, Um Mestre no Paisagismo Mineiro

paisagem em minas gerais


Nesta postagem faço um breve resumo de um Artista Plástico mineiro, que é considerado
um dos grandes nomes da Arte brasileira da atualidade: Túlio Dias. Respeitado pela
crítica e pelos colecionadores por sua diversidade de temas relativos à vida no
interior do Brasil, imprime em suas telas impressionante vigor em luzes e
cores, fazendo com que os apreciadores se sintam parte da obra.

Túlio nasceu na capital do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, em maio de 1963.
Seu ingresso na pintura é uma interessante história em que a paixão pela Arte, falou mais
forte. Aos 17 anos, próximo ao Natal, sua mãe deu-lhe dinheiro para que comprasse
uma calça como presente mas, ao passar em frente a uma loja que vendia artigos para
artes, entrou e comprou um kit básico para pintura. Usando como cavalete a parede com
alguns pregos, pintando em pé e sem dinheiro  para comprar telas, pintava em "eucatex"
e táboas, já com seu enorme talento guiando as mãos em suas pinceladas.


tulio dias

Eclético, além de cenas e paisagens interioranas, Túlio tem belos trabalhos retratando
animais, naturezas-mortas e marinhas, fazendo parte de coleções particulares no
Brasil e no Exterior. Escolhi uma pequena mostra de suas obras para ilustrar
seu talento e maestria, reconhecido à nível internacional.
Com vocês, Túlio Dias e suas telas.

carlos miranda (betomelodia)




florir na natureza

ensinando o ofício
dia feliz

caminho de paz
 recanto no rio manbucaba, angra dos reis, rio de janeiro

soberano
encanto da vida

sossego no rio
simplicidade da vida

natureza soberana
lugar feliz




destaco: entardecer no campo


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google