sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Negro Gato, Rejane Luna



Inspirada em um gato que o atormentava durante as noites em sua juventude,
Getúlio Cortes fez esta versão de "Three Cool Cats", autoria da dupla Leiber
e Stoler, que foi um dos sucessos da dupla americana e dos Cooaster.



rejane luna


Referindo-se à temática negra, foi pela vez primeira gravada por Renato
e Seus Blucaps e também por outros grandes nomes da Música Brasileira.
Nesta página trago-a um novo arranjo de Rejane Luna, autora de
"Sou Brasileira", divulgada em 20/08/2010, em uma performance genial
que muito agradou-me. Com vocês, Rejane e Negro Gato..

carlos miranda (betomelodia)





Eu sou um negro gato de arrepiar
Essa minha história é mesmo de amargar
Só mesmo de um telhado aos outros desacato

Eu sou um negro gato

Minha triste história vou Ihes contar
E depois de ouvi-la sei que vão chorar
Há tempos que eu não sei  o que é um bom prato

Eu sou um negro gato

Sete vidas tenho para viver
Sete chances tenho para vencer
Mas se não comer acabo num buraco

Eu sou um negro gato

Um dia lá no morro pobre de mim
Queriam minha pele para tamborim
Apavorado desapareci no mato
Eu sou um negro gato

Eu sou um negro gato


getúlio cortes



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Não Deixe o Samba Morrer, Maria Rita

betomelodia.blogspot.com


Esta página é dedicada ao Samba, à uma dupla de sambistas, autores
de uma canção imortal: Não Deixe o Samba Morrer. Um clássico.
Seus autores, Edson Conceição e Aloísio, falam sobre a importância do
Samba, um patrimônio do Brasil, fazendo um apelo às próximas gerações
de compositores para perpetuarem-no em suas obras, pois o mais brasileiro
dos ritmos, jamais poderá morrer.

Esta música foi lançada por Alcione no ano de 1975, em seu primeiro álbum
intitulado "A Voz do Samba", mantendo-se por vinte e duas semanas em
primeiro lugar nas paradas da época. Foi gravada por diversos intérpretes
no decorrer destes 39 anos em que é sucesso junto ao público ouvinte.


maria rita

..." o morro foi feito de samba, de samba prá gente sambar "...

Ilustrando esta postagem, temos um vídeo com Maria Rita em uma ótima
e por vezes sensual performance, onde podemos notar que o pedido na letra
da canção será atendido, pois a participação do público não deixa dúvidas
quanto a isso. O Samba não morreu nem morrerá.

carlos miranda (betomelodia)





Quando eu não puder pisar mais na avenida
Quando as minhas pernas não puderem aguentar
Levar meu corpo junto com meu samba
O meu anel de bamba entrego a quem mereça usar

Eu vou ficar no meio do povo espiando
Minha escola perdendo ou ganhando
Mais um carnaval

Antes de me despedir deixo ao sambista mais novo
O meu pedido final

Não deixe o samba morrer não deixe o samba acabar
O morro foi feito de samba de samba prá gente sambar


edson conceição / aloisio




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Bruno Steinbach Silva e a Arte Erótica

betomelodia.blogspot.com


O Nordeste do Brasil é pródigo em enriquecer a Cultura Brasileira
nas Artes Plásticas, Música e Literatura. Nesta postagem, divulgamos as
criações de um filho de pai paraibano e de mãe baiana. Nascido na
Paraíba, na capital João Pessoa, é autodidata e desde cedo dedicou
seu tempo e sua vida às Artes Plásticas: Bruno Steinbach Silva.

Seus temas são variados, notando-se que ele busca inspiração em tudo
que sua criativa imaginação sugere, sempre em busca de novas técnicas
para seus retratos, paisagens, naturezas mortas ou para seus sensuais
trabalhos, como os nus, tema desta pequena mostra.


bruno steinbach silva

A hipocrisia de muitas pessoas classificam o nu como arte de pouco
valor mas, a Arte Erótica jamais será inferior, obscena ou apelativa, que o
digam os apreciadores dos grandes Mestres da Pintura e dos maiores
Poetas que a antiguidade nos legou. Isto sem mencionar os fantásticos
afrescos que adornam igrejas e templos por esse mundo afora.

Portanto, uma vez mais em meu blog vocês conhecerão algumas obras
eróticas sem qualquer conotação vulgar, com sexo insinuante em gestos
e poses, criadas por este grande Artista que é Bruno Steinbach.

carlos miranda (betomelodia)



verso

reverso

sem título

sem título

anita, anita, anita

hariel e aladiah, o repouso

mulher dormindo

sem título

sem título



destaco: a mulher e o quadro

fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Pé do Meu Samba, Mart'nália

 betomelodia.blogspot.com


Ela é compositora e cantora. Percussionista e instrumentista. Ah, também atriz.
Carioca, nasceu em setembro de 1965 no bairro de Pilares, onde desde a
mais tenra idade acostumou-se a ouvir... Samba. E dos bons pois ela
é filha do sambista Martinho da Vila e sua mãe, a cantora Anália Mendonça.

Teve o prazer de conviver em sua casa com Clara Nunes e João Donato,
fortalecendo sua tendência ao Samba quando, aos dezesseis anos iniciou
sua carreira profissional. Seu primeiro álbum foi lançado em 1987, tendo
como título Martinália. Sucesso.


mart'nália

"Pé do Meu Samba" foi composta por Caetano Veloso especialmente para
ela, sendo segundo Caetano, a mais completa tradução de Mart’nália.
Diz inclusive que apesar de ser ele o autor, quem canta "Pé do Meu Samba"
bem mesmo é só a própria Mart’nália. O vídeo fala por si. 

carlos miranda (betomelodia)





Dez na maneira e no tom
Você é o cheiro bom
Da madeira do meu violão
Você é a festa da Penha
A feira de São Cristovão
É a Pedra do Sal
Você é a Intrépida Trupe
A Lona de Guadalupe
Você é o Leme e o Pontal

Nunca me deixa na mão
Você é a canção que consigo
Escrever afinal
Você é o Buraco Quente
A Casa da Mãe Joana
É a Vila Isabel
Você é o Largo do Estácio
Curva de Copacabana
Tudo que o Rio me deu

Pé do meu samba
Chão do meu terreiro
Mão do meu carinho
Glória em meu Outeiro
Tudo para o coração
De um brasileiro


caetano veloso




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Roda de Samba no Céu, Martinho da Vila

betomelodia.blogspot.com


Samba d'almocreve, batuque, zamba, semba,bate-baú, jongo, miudinho,
partido alto, samba de roda, são alguns dos muitos nomes outrora dados
ao ritmo que move os pés da nação brasileira: o Samba.

Sua provável origem é africana, dizem alguns estudiosos enquanto outros
afirmam que sua origem é árabe mas, não importando para o povo que ama
este estilo musical a sua origem e sim, o que este ritmo representa para
a Cultura Musical Brasileira.



martinho da vila

O precursor do samba tal como hoje o conhecenos, data do início do século
passado. E nasceu na Rua Visconde de Itaúna, pertinho da Praça Onze, lá
no Rio de Janeiro. Mais precisamente na casa da Tia Ciata, onde amigos
reuniam-se usando o improviso para versos cantados em ritmo de samba.
E foi no ano de 1916, lá na casa dela que este mesmo grupo criou o então
chamado "samba carnavalesco", originalmente intitulado "O Roceiro".

Donga, um dos participantes do grupo registrou-a, gravando em 1917 a já
então famosa composição com outro título: Pelo Telefone. Este é o
primeiro registro deste estilo musical, o Samba, de que se tem notícia, ritmo
que ganhou notoriedade na década de vinte com a entrada em cena dos
compositores Sinhô e Caninha dentre muitos outros.

No dia 25 de novembro de 2008, a UNESCO apresentou sua terceira lista de
Obras-Primas inscritas no Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade, que
reconheceu, entre 43 manifestações, o samba-de-roda do Recôncavo Baiano,
uma das origens do samba carioca que nasceu de encontros de ex-escravos.

A postagem de hoje nos traz um dos maiores sambistas do Brasil,
Martinho da Vila, interpretando Roda de Samba no Céu, uma criação
sua em homenagem aos grandes nomes do passado que, fizeram
deste estilo musical suas vidas.


carlos miranda (betomelodia)






Esta noite eu sonhei com uma roda de samba no céu
Com Pixinguinha Donga Almirante Sinhô Ismael
Noel Rosa versava Wilson Batista respondia
Batucando num prato João da Baiana sorria
Geraldo Pereira sambava Marília Batista cantava
Araci de Almeida gingava e Tia Ciata gostava

Era um samba de roda meio repicado muito maxixado
Que Ataulfo Alves dizia ser samba rasgado
Se achegaram Vinícius Heitor dos Prazeres Padeirinho
E Cartola tocando a viola do Nelson Cavaquinho


martinho da vila



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Paixão, Simone

betomelodia.blogspot.com


Espontaneidade no palco. Sensualidade na interpretação.
Exclusivo e leve timbre metálico na voz, que com suave rouquidão, 
traz um romantismo especial ao seu cantar. Um dom natural,
que não precisou de aulas de canto ou escolas de música.

Assim descrevo Simone, como a sinto. Dona de um sotaque baiano que
a carreira jamais apagou, com o ecletismo de seu repertório, traz-nos
uma versatilidade vocal excelente que aos ouvintes extasia.


s i m o n e

O vídeo que ilustra esta página traz-nos Simone em seu tradicional
trajar de cor branca, interpretando a composição de Kleiton & Kledir
intitulada Paixão, lançada em 1981 e cuja autoria da música e da letra,
são de Kledir Ramil. E como no início mencionei, sensualíssima e
magistral performance de Simone.

carlos miranda (betomelodia)





Amo tua voz e tua cor
E teu jeito de fazer amor
Revirando os olhos e o tapete
Suspirando em falsete
Coisas que eu nem sei contar

Ser feliz é tudo que se quer
Ah! Esse maldito fecho éclair
De repente a gente rasga a roupa
E uma febre muito louca
Faz o corpo arrepiar

Depois do terceiro ou quarto copo
Tudo que vier eu topo
Tudo que vier vem bem
Quando bebo perco o juízo
Não me responsabilizo
Nem por mim nem por ninguém

Não quero ficar na tua vida
Como uma paixão mal resolvida
Dessas que a gente tem ciúme
E se encharca de perfume
Faz que tenta se matar

Vou ficar até o fim do dia
Decorando tua geografia
E essa aventura
Em carne e osso
Deixa marcas no pescoço
Faz a gente levitar

Tens um não sei que de paraíso
E o corpo mais preciso
Que o mais lindo dos mortais
Tens uma beleza infinita
E a boca mais bonita
Que a minha já tocou


kledir ramil




fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Fabiana Langaro Loos, Abstracionismo em Fortes Cores

betomelodia.blogspot.com


“Fabi fala com a cor, fala com a forma. Ela cria uma janela da vida. Traz para
nós uma revelação especial: a do não conceito, a do não nome, a da Arte.”
Sílvia Teske


Embora tenha pesquisado muito sobre dados biográficos de Fabiana Loos,
não os consegui. Mas, baseado em suas entrevistas e em seus outros trabalhos,
creio ter ela nascido em Itajaí, Santa Catarina, tendo fixado residência em
Balneário Camboriú, onde participa de muitas atividades voltadas para a Cultura,
contribuindo para a divulgação das Artes Plásticas em vários jornais.


fabiana langaro loos

"Arte é a expressão de sentimentos. É a capacidade de se criar sensações,
oriundas de vivência pessoal ou da imaginação, transmitindo a outra pessoa
um novo desejo, uma nova forma de ver a vida. Através da arte é possível
re-inventar a vida, da mesma forma que a arte também serve como
instrumento para questionar a vida e as atitudes do homem."
Fabiana Langaro Loos


Desde 1992, ao ingressar na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo em Itajaí,
Fabi começou a se dedicar às Artes e após três anos, sua carreira profissional
teve início. Autodidata, sempre em busca de aperfeiçoamento, utiliza o acrílico
sobre tela para suas criações, em uma técnica abstracionista e geométrica, de
vibrantes cores e um tanto informais, com belos resultados e que na pequena
mostra a seguir podemos conferir.

carlos miranda (betomelodia)




moro da cruz

liberdade

inocência

terereca

a espera de um par

descolada

de frente para o mar

amazônia

voo livre




destaco: virilidade


fontes
Imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google