sábado, 30 de maio de 2015

Timbalada, Beija Flor



A postagem de hoje é sobre um grupo vocal-percussivo com forte influência africana, hoje
internacionalmente conhecido, que neste ano de 2015 completa 24 anos de existência: Timbalada.
O princípio de tudo ocorreu em 1989, com os integrantes da banda "Vai Quem Vem" que além
dos "timbales", instrumento percussivo de origem árabe, utilizava também latas, panelas e
baldes, o que de imediato chamou a atenção da mídia e do público em Salvador, Bahia.

Em seu início teve como organizador e mentor, o músico Carlinhos Brown, seu principal divulgador.
E o ritmo diferente aliado à estética muito bem marcada de seus integrantes, pela pintura
corporal e movimentação nas apresentações, foi o caminho trilhado para a fama.

O vídeo ilustrando essa publicação é sobre um de seus primeiros sucessos de seu primeiro
álbum, "Timbalada", lançado em 1993: "Beija-Flor" que hoje é tida como um marco na história do
grupo. Lembro que clicando nos links ao final da postagem, em
"links para suas preferências no blog"
seus gostos quanto à estilos musicais, autores ou cantores, aqui estarão à sua disposição.


carlos miranda (betomelodia)


video



Eu fui embora meu amor chorou
Vou voltar
Eu vou nas asas de um passarinho
Eu vou nos beijos de um beija-flor
No tic-tic-tac do meu coração renascerá
Timbalada é semente de um novo dia
Nordeste sofrimento povo lutador
Entre mares e montanhas com você eu vou

Yo quero te namorar amor
Yo quero te namorar amor

Teu lábio é tão doce doce feito mel
Todo azul sua beleza feita cor do céu
Quero me aquecer sentir o teu calor
Rolar prá lá na cama te chamar de amor
Fazer mil poesias pra te conquistar
Deixa-la simplesmente coberta de flor
Quero me aquecer sentir o seu calor
Amor é só me chamar que eu vou

Estou sentindo a falta de você
Sonhando com seu beijo espero amanhecer
Tu levas as palavras soltas pelo ar
Yo quero te namorar amor 
Que te bandê que te bandê que te bandê
Que te bandê preta
Yo quero te namorar amor 

xexéu / zé raimundo



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Malandro, com Jorge Aragão e Elza Soares

jorge aragão e elza soares

 “Sou gordo, velho, tenho barba branca e cabelo pixaim. A impressão que tenho
é que sou um carro de Fórmula 1, que só ganhou porque os da frente quebraram.”

jorge aragão

Assim ele se define, negando ser um artista. Compositor, nascido em Niterói,
Estado do Rio de Janeiro, não se considera um cantor e sim, apenas intérprete do
compositor. Esse é o sambista Jorge Aragão, diferente da quase totalidade dos
sambistas de sua cidade por não frequentar bares, e por nunca ter provado sequer
uma cerveja, ausentando-se de sua casa raramente, sempre procurando não ser notado.

“Achava que minhas letras não tinham a ver com a garotada.
Eu escrevo para o nego véio, a turma do Samba.’’

jorge aragão

Achou errado porque em suas apresentações, o fanatismo da juventude surpreende.
Aragão faz mais de trinta shows por mês e seu último CD já vendeu mais de quinhentas
mil cópias, permanecendo por várias semanas entre os cinco mais vendidos no Brasil,
superando vendagens de grandes nomes da Música Popular Brasileira.

Em sua carreira musical, Jorge Aragão conquistou o respeito do público, crítica e de
muitos outros compositores e intérpretes, sendo chamado de "Poeta do Samba". Suas
composições são sucesso no Brasil, no Exterior e no planeta Marte.  Sim, em Marte pois
lá foi ouvida na voz de Beth Carvalho sua composição "Coisinha do Pai", para despertar o
robô "Sojourney". Segundo Aragão, ele é "o compositor mais tocado no planeta vermelho".

A publicação de hoje nos traz sua primeira composição, à época na voz de uma intérprete que
foi agraciada com o título de "A Cantora do Milênio": Elza Soares.  As portas para o sucesso
estavam abertas. Lembro que ao final das postagens, para ficar sabendo algo mais sobre
compositores, cantores ou seus estilos musicais preferidos, é só ir até o final da página
e em "links para suas preferências no blog" clicar no de seu gosto, visualizando aqui
mesmo em meu blog com total segurança, as suas preferências musicais. Abraços.

carlos miranda (betomelodia)


video



Malandro
Eu ando querendo falar com você
Você tá sabendo que o Zeca morreu
Por causa de brigas que teve com a lei

Malandro
Eu sei que você nem se liga pro fato
De ser capoeira moleque mulato
Perdido no mundo morrendo de amor

Malandro
Sou eu que te falo em nome daquela
Que na passarela é porta estandarte
E lá na favela tem nome de flôr

Malandro
Só peço favor de que tenhas cuidado
As coisas não andam tão bem pro teu lado
Assim você mata a Rosinha de dor

jorge aragão / jotabê



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 24 de maio de 2015

Jaasiel Valzacchi, Tradição de Família nas Artes

natureza morta com uvas e maçãs


Uma bela história: a tradição familiar em três gerações, nas Artes Plásticas Brasileiras.
Pelo que sei, foi na cidade de Údine, Itália, onde tudo começou. Uma família que nas Artes Plásticas
tem como fato o dom da pintura, além de outros segmentos nas Artes.

Vamos à postagem. Tudo começou com seu avô, Francisco Valzacchi, escultor, pintor, decorador
e professor, que de mudança para o Brasil foi morar em Taquaritinda, interior do Estado de
São Paulo. Com seus filhos Edwil e Oscar, retrataram paisagens e decoraram as igrejas da região.
Duas gerações de artistas a enriquecer o acervo brasileiro das Artes.



jaasiel valzacchi


Agora, na terceira geração: Jaasiel Valzacchi. Nascido em Catanduva, Estado de São Paulo no
mês de novembro de 1974, interessou-se pela pintura aos doze anos de idade, tendo a orientação
de seu pai Edwil Valzacchi, em seus desenhos e pinturas. À princípio dividia o tempo entre a escola
e pintura mas, acabou por optar pela pintura em tempo integral. Sua obra possui variados temas
em uma linguagem acadêmica, paisagens, flores, figuras, naturezas mortas e a arte fantástica.

A seguir, uma pequena mostra de sua obra em telas que ao meu gosto escolhi, e que com certeza
destacará seu apurado gosto na escolha de temas, detalhes e cores. E para que mais sobre
as Artes Plásticas Brasileiras tenham opções, é só clicar nos links ao final da postagem
(
links para suas preferências no blog ), que seus gostos quanto a estilos e pintores,
estarão à disposição sempre com segurança total, aqui mesmo em meu blog.

carlos miranda (betomelodia)




entrada da fazenda

levando as mercadorias
casinha do rio
ypê amarelo
no campo








a queimada

moinho de água

repouso
a casa velha

levando os bois
volta pra casa









destaco: africanas


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Prá Dizer Adeus, Edu Lobo

edu lobo


Ele é o responsável por muitos, muitos sucessos no Universo Musical Brasileiro. Como exemplo cito
Ponteio, em parceria com Capinan; Arrastão, com o poetinha Vinícius de Moraes; Upa Neguinho
com meu grande amigo que já subiu aos céus, Gianfrancesco Guarnieri, e a escolhida por mim para
ilustrar a publicação de hoje, Pra Dizer Adeus, em parceria com Torquato Neto.  Confesso que é
muito difícil escolher uma Música em meio a tantos bons temas musicais, excelentes composições.

Eduardo de Góes Lobo ou como é conhecido, Edu Lobo, nasceu no Rio de Janeiro em agosto do ano
de 1943 e é instrumentista, compositor, arranjador e cantor. Dos oito aos quatorze anos foi um
estudante de acordeon, instrumento que abandonou e trocou pelo violão aos dezesseis anos, o que
incomodou seu pai porque naquela época,  violão era considerado  o instrumento dos boêmios.

Para os apreciadores da boa Música, Edu permaneceu com o violão e com suas muitas parcerias,
enriquecendo sobejamente nossa cultura musical com sua obra. Lembro que para ter acesso
a outras postagens, ficar sabendo um pouco mais sobre Edu Lobo, outros estilos musicais
ou suas preferências quanto a compositores e cantores, é só ir até o final da página e
em "links para suas preferências no blog",  clicar no link de seu gosto, visualizando
aqui mesmo em meu blog e com total segurança, as suas preferências musicais.


carlos miranda (betomelodia)


video



Adeus
Vou pra não voltar
E onde quer que eu vá
Sei que vou sozinho

Tão sozinho amor
Nem é bom pensar
Que eu não volto mais
Desse meu caminho

Ah pena eu não saber
Como te contar
Que o amor foi tanto
E no entanto eu queria dizer vem
Eu só sei dizer vem
Nem que seja só pra dizer adeus


edu lobo / torquato neto



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Eu Sei, Fernanda Takai e Banda Pato Fu

fernanda takai, banda pato fu


Fernanda Takai. Já coloquei no blog algumas de sua interpretações que foram parte de meu repertório
e agora, em um vídeo de 1998, com uma singular e interessante edição, trago-a de volta ao blog
cantando a composição de Renato Russo intitulada "Eu Sei". Ela era a vocalista da banda conhecida
por "Fernanda 3 do Povo", quando resolveu formar uma nova banda com dois amigos, de uma loja
de instrumentos musicais, John Ulhoa, com quem mais tarde casou-se e Ricardo Koctus. Faltava
o nome. Qual seria? Teria que ser compatível com o estilo "rock alternativo" pretendido.

Segundo Fernanda, os formadores da banda são muito desajeitados e seus movimentos lembram
os dos patos. Não sei quem era admirador das tirinhas do Garfield que lutava "gato-fu". Resolveram
então trocar a primeira letra , b por p, para distanciar a associação do cartoon e assim nasceu o
nome da banda: Pato Fu. Bem, o nome é um pouco estranho, tão estranho quanto a sonoridade que
mais tarde colocariam na mídia com grande sucesso, mesmo fugindo ao estilo predefinido.

Então vamos ao vídeo lembrando que, para para assistir outros vídeos em postagens anteriores
e ficar sabendo mais sobre Fernanda Takai, é só clicar em (
links para suas preferências no blog ),
onde seus gostos quanto à estilos musicais, autores ou cantores, estarão à disposição com
segurança total aqui mesmo em meu blog. Bom divertimento.

carlos miranda (betomelodia)


video



Sexo verbal não faz meu estilo
Palavras são erros e os erros são seus
Não quero lembrar que eu erro também

Um dia pretendo tentar descobrir
Porque é mais forte quem sabe mentir
Não quero lembrar que eu minto também

Eu sei eu sei

Feche a porta do seu quarto
Pois se toca o telefone
Pode ser alguém
Com quem você quer falar
Por horas e horas e horas

A noite acabou
Talvez tenhamos
Que fugir sem você
Mas não não vá agora
Quero honras e promessas
Lembranças e histórias
Somos pássaro novo
Longe do ninho

Eu sei eu sei

renato russo 



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Muito Obrigado Axé, com Ivete Sangalo e Maria Bethânia

maria bethânia e ivete sangalo


Na publicação de hoje, vou fazer um breve resumo dos maravilhosos habitantes desta bela, encantadora
Nação em que tive oportunidade de nascer, o Brasil. E para tanto vou ter como base uma Música
que no vídeo que ilustra a página, tem três nomes de peso em nossa cultura: o não só musical de um
grande compositor, Carlinhos Brown e de duas geniais cantoras, Ivete Sangalo e Maria Bethânia.
A Música de Brown em sua letra e religiosidade, em síntese clama pela paz e harmonia.

Ijexá um dos ritmos tradicionais da Bahia é originalmente o ritmo tocado para todos os Orixás do
do Candomblé, que tem sua cadência na batida e na dança, bem suave e marcada. O , instrumento
de percussão por nós conhecido como Agogô, é o responsável pela marcação do compasso. Hoje
em dia, o Afoxé Filhos de Gandi é o grupo cultural baiano que preserva esta herança dos povos
africanos, uma grande influência na Música e no Universo Cultural Brasileiro.

Sabemos que somos um País formado por uma incrível mistura de raças, religiões, tradições e culturas
de praticamente todos os lugares da Terra, desde a época dos primeiros navegantes que por aqui
aportaram. O resultado culminou em uma diversidade cultural multi-etnica. É justamente a diversidade
dessas origens que versa a composição de Carlinhos Brown: Muito Obrigado Axé.

Sua letra é voltada para a raça que papel primordial teve na constituição do Brasil como Nação, a Raça
Negra. Do continente africano chegaram como escravos e uma vez libertos, foi de importante influência
sua participação na religiosidade, tradições festivas, arte e principalmente na Música Brasileira, como
exemplo cito o Samba, dança praticada pelos escravos libertos.

Ah, sim. A Música. Como acima mencionei, seu título é Muito Obrigado Axé e começa com as palavras
"Odô axé odô", traduzido do dialeto Yorubá, "Obrigado Paz obrigado", além de vários outros termos
como Ilê, Candomblé e o que é uma associação afro-indígena,  Mirim, indígena e Orumilá, africano,
significando um mensageiro. Na Música o termo "Deus é Brasileiro" refere-se ao fato de sermos
uma Nação formada por povos de todo o mundo e a frase "Joga as armas prá lá", a negação dos
rótulos étnicos e sociais para que igualdade, respeito e harmonia reine soberana na Terra. 

carlos miranda (betomelodia)


video



Odô axé odô axé odô axé odô
Odô axé odô axé odô axé odô

Isso é pra te levar no ilê
Pra te lembrar do badauê
Pra te lembrar de lá
Isso é pra te levar no meu terreiro
Pra te levar no Candomblé
Pra te levar no altar

Isso é pra te levar na Fé
Deus é brasileiro
Muito obrigado axé
Ilumina o Mirin Orumilá
Na estrada que vem a cota
É um malê é um maleme
Quem tem santo é quem entende

Quanto mais pra quem tem Ogum Missão e Paz
Quanto mais pra quem tem ideais e os Orixás

Joga as armas prá lá joga joga as armas pra lá
Joga as armas pra lá faz a festa

Joga as armas prá lá joga joga as armas pra lá
Joga as armas pra lá faz um Samba

Odô axé odô axé odô axé odô
Odô axé odô axé odô axé odô

Joga as armas prá lá joga joga as armas pra lá
Joga as armas pra lá traz a orquestra

Joga as armas prá lá joga joga as armas pra lá
Joga as armas pra lá faz a Fé'sta

carlinhos brown



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto*: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

(texto*: resumo da publicação de marcelo bhárreti)

terça-feira, 12 de maio de 2015

Paulo Carvalho, a Expressão do Academismo

cena galante


Paulo de Carvalho nasceu em Petrópolis, no Estado do Rio de Janeiro em 1958. Formado pela tradicional
Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, sua obra tem como característica
a pintura Acadêmica, notando-se entretanto uma orientação para um criação mais precisa, ou
seja, suas telas contem uma visão realista muito bem espressa sempre  com conceito de
base inspirado no academismo. Possui apurada técnica, digna de um grande Mestre.

Poucos são os Artistas Plásticos  que na atualidade podemos classificar como
Acadêmicos,  ao contrário de Paulo  que em suas telas mantém-se fiel ao propósito
por ele adotado, o que é singular nos dias atuais pois a maioria das correntes artísticas
adotaram o impressionismo, expressionismo ou modernismo, de uma maneira generalizada.


paulo de carvalho


Paulo de Carvalho tem como inspiração básica para seus trabalhos, a cidade e o Estado do
Rio de Janeiro, na atualidade e principalmente nos idos dos séculos XIX e XX, sempre
retratando sob o amparo de muitas pesquisas a mudança ocorrida, do Império
ao proscênio do início do século XX, com telas exaltando as mudanças.

carlos miranda (betomelodia)




beira de rio

o passeio de charrete

o pequeno flautista
carneiros
portão azul

o retrato do abandono

a pastora
a mulher de pedra
deixando o vilarejo
curva de rio

curva do rio piabetá






destaco: lavadeiras

fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google