domingo, 31 de janeiro de 2016

Timoneiro, Paulinho da Viola - de 24/11/2015

... quem me navega é o mar ...


O Sambista Perfeito. Esse é o título de uma composição de Arlindo Cruz em homenagem aos
grandes compositores e intérpretes do Samba no Brasil. Definição que é bem aplicada a
um dos homenageados em sua letra ao Artista que destacamos em nossa postagem,
Paulinho da Viola.  Por sua rara elegância em compor, falar, sorrir, olhar e acima
de tudo cantar, em minha opinião é um ou senão,  o principal nome referente
ao  Samba e Choro  brasileiro.  Dia 12 do mês de novembro de 2015,  ele
ao completar setenta e três anos afirmou que idade não traz nenhum
incômodo para sua vida, continuando elegantemente comedido ao
falar, atento ao que ouve e perfeito compondo ou interpretando.
Escolhi a Música  "Timoneiro"  para ilustrar a postagem, feita
em parceria com  Hermínio  Bello  de  Carvalho. Apreciem.


paulinho da viola


Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", lá no
final da postagem, é possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como
sobre outras Músicas ou ritmos de sua preferência, aqui mesmo em meu blog, ok?

carlos miranda (betomelodia) 




E quanto mais remo mais rezo pra nunca mais se acabar
Essa viagem que faz o mar em torno do mar
Meu velho um dia falou com seu jeito de avisar
Olha o mar não tem cabelos que a gente possa agarrar

Não sou eu quem me navega quem me navega é o mar
Não sou eu quem me navega quem me navega é o mar
É ele que me carrega como nem fosse levar
É ele que me carrega como nem fosse levar

Timoneiro nunca fui que eu não sou de velejar
O leme da minha vida Deus é quem faz governar
E quando alguém me pergunta como se faz pra nadar
Explico que eu não navego quem me navega é o mar

Não sou eu quem me navega quem me navega é o mar
Não sou eu quem me navega quem me navega é o mar
É ele que me carrega como nem fosse levar
É ele que me carrega como nem fosse levar

A rede do meu destino parece a de um pescador
Quando retorna vazia vem carregada de dor
Vivo num redemoinho Deus bem sabe o que Ele faz
A onda que me carrega ela mesma é quem me traz

Não sou eu quem me navega quem me navega é o mar
Não sou eu quem me navega quem me navega é o mar
É ele que me carrega como nem fosse levar
É ele que me carrega como nem fosse levar


paulinho da viola / hermínio bello de carvalho



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sábado, 30 de janeiro de 2016

Falando de Amor, Gal Costa - de 10/10/2015

betomelodia.blogspot.com


O ano, 2001. Vinicius de Moraes havia escrito um poema e numa conversa com seu parceiro, mostrou-lhe.
Tom, se bem me lembro, ao piano em pouco tempo colocou a Música e "Falando de Amor" nasceu. Tom
nascido no bairro da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro,  hoje é tido como um dos que deram início
ao movimento intitulado Bossa Nova, um dos fundadores e unanimemente aclamado tanto pela
crítica quanto por seus admiradores como um dos maiores expoentes da Música Brasileira
no mundo inteiro. Compositor, cantor, violonista, pianista, maestro e arranjador, o meu
Mestre em minhas apresentações e estilo de tocar e cantar nos palcos do mundo.



gal costa

Gal Costa. Uma das belas vozes do Brasil por sua perfeita afinação e por suas interpretações nos shows
em que se apresenta, é por mim considerada um dos símbolos inigualáveis de nossa Música. Foi com ela
que escolhi um vídeo para ilustrar essa publicação, pois minha opinião é que é a mais bela e também
fiel interpretação da letra de Vinicius e dos acordes de Tom. Lembro que, nos links apresentados
em "
links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é possível saber mais sobre
esta ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de sua preferência.

carlos miranda (betomelodia)




Se eu pudesse por um dia
Esse amor essa alegria
Eu te juro te daria
Se pudesse esse amor todo dia

Chega perto vem sem medo
Chega mais meu coração
Vem ouvir esse segredo
Escondido num choro-canção

Se soubesses como eu gosto
Do teu cheiro teu jeito de flor
Não negavas um beijinho
A quem anda perdido de amor

Chora flauta chora pinho
Choro eu o teu cantor
Chora manso bem baixinho
Nesse choro falando de amor

Quando passas tão bonita
Nessa rua banhada de sol
Minha alma segue aflita
E eu me esqueço até do futebol

Vem depressa vem sem medo
Foi pra ti meu coração
Vem ouvir esse segredo
Escondido num choro-canção

Lá no fundo do meu coração


tom jobim /vinicius de moraes



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

A Porta da Alegria, Oswaldo Montenegro - de 13/08/2015




Trago de volta um poeta, compositor, cantor e instrumentista sem similar em nosso universo
musical, Oswaldo Montenegro. "Carioca da Gema", nasceu no bairro Grajaú em março de
1956, e tem uma constante parceria com a instrumentista Madalena Salles,sempre
o acompanhando com suas flautas. Também é autor de diversas trilhas sonoras
para televisão, cinema, balé e para vários espetáculos teatrais. Completo.

É excepcional e precoce seu talento, pois embora não tenha estudado Música, por ela sofreu
forte influência desde a mais tenra idade, pois sua mãe e seus avós tocavam piano e seu
pai, violão e cantava. Ao mudar-se para a cidade mineira de São João Del Rei aos oito
anos de idade, foi atraído pela Música Barroca das igrejas e teve aulas de violão
com um dos muitos seresteiros da cidade. Foi nessa época que compôs sua
primeira canção, Lenheiro, nome do rio que banha a cidade e aos treze
anos, foi o vencedor de um festival no Rio de Janeiro, quando lá ele
voltou a morar. Creio que assim nasceu  sua carreira musical.


oswaldo montenegro


Aos quinze anos, 1971, mudou-se para Brasília e lá decidiu tornar-se Músico profissional,
e lá realizou seus primeiros shows. Aos dezessete anos, 1973, decidiu que viveria da
Música definitivamente, para sorte de todos nós, brasileiros amantes da Música.
Em minha modesta opinião, a família de músicos, as igrejas mineiras e seus
cantos barrocos, a poesia das serestas de São João Del Rei, foram sim
os motivos da formação poético musical, desse talentoso nome da
nossa Música Popular Brasileira. O Brasil, a Música, agradecem.

Lembro que, nos links apresentados em "
links para suas preferências no blog", ao final
da postagem, é possível saber mais sobre este ou outros Artistas assim como sobre
Músicas ou ritmos de sua preferência, sempre com total segurança aqui no blog.


carlos miranda (betomelodia)





Cada vez que eu subo ao palco pra cantar eu me lembro de você
Será que ainda quero falar ainda há coisas pra contar ou pra dizer
O vento corta a pele mas o coração por dentro resistiu 
O sol lá fora é novo mas você não viu 

Cada vez que alguém me olha com atenção dá vontade de gritar 
Que o tempo tá na contramão e é preciso de algum jeito se apressar 
A vida exige sonhos e o amor é só um jeito de sonhar
E não há mais segredo se a gente falar 

Mas eu sei que fiz as coisas do meu jeito não há o que consertar
Cada um tem sua historia só quem viveu é que pode contar 
E o passado é diferente na memoria e o certo é o que virá 
Abre a porta da alegria e deixa entrar abre a porta da alegria e deixa entrar 

Hoje eu sei só quem tirou a fantasia aproveita o carnaval 
Apaga o que havia e comemora o que há de novo no quintal 
O amor troca de rosto mas mudar não quer dizer que é o final 
Se lembra toda a nostalgia pode ser fatal 

E descansa que a vida dá um jeito que for para ajeitar 
E o que não foi possível é possível que ainda esteja lá 
De repente em qualquer rua sem aviso a gente vai se achar 
Abre a porta da alegria e deixa entrar abre a porta da alegria e deixa entrar

E hoje eu sei que fiz as coisas do meu jeito não há o que consertar 
Abre a porta da alegria e deixa entrar abre a porta da alegria e deixa entrar 

oswaldo montenegro / mongol 



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Primavera, com Carlos Lyra e Antonio Adolfo - de 02/07/2015

betomelodia.blogspot.com



Ah, a Bossa Nova. Suas letras repletas de poesias, falando de amor com pureza e encanto. Vivi o auge
dessa época e dela participei, fazendo com ela grande parte de meu repertório. Os anos passaram
e até hoje seus inconfundíveis acordes e cadências, nos cativam ao falar de amor, trazendo a
paz, as esperanças, sonhos e saudades. A publicação de hoje é sobre uma poesia que fala
sobre um sonho de amor, composta por dois grandes Mestres da Música Brasileira: um
Poeta, Vinícius de Moraes e um dos maiores Compositores do Brasil, Carlos Lyra. E
que título tem essa obra prima musical? O da bela estação do ano:  Primavera.

Falar sobre Carlos Eduardo Lyra Barbosa, ou Carlos Lyra como é conhecido, é desnecessário. Carioca,
nascido na cidade do Rio de Janeiro em maio de 1939, instrumentista, compositor e cantor, é um
dos maiores divulgadores do violão como o mais importante na Bossa Nova. O Samba que foi
sua primeira gravação, "Quando Chegares", com a cadência de Samba Canção e tendo o
violão como base da melodia, à princípio instrumental e que mais tarde recebeu letra,
já demonstrava uma tendência ao novo movimento que ganhava força, força que
fez  com que fosse difundido mundo à fora, e vivo até os dias atuais. Eterna.


em primeiro plano carlos lyra, e ao fundo, antonio adolfo


Para ilustrar a postagem, escolhi um vídeo em que Carlos Lyra a interpreta magistralmente, tendo como
convidado o pianista Antonio Adolfo em um solo sensacional. Primavera foi composta e gravada em
1964, ano em que Lyra participou do festival de Jazz em Newport com Stan Getz, e permanece
como um clássico da era áurea da Bossa Nova,  pela poesia de sua letra e de sua melodia.

Como sempre ressalto, nos links apresentados em "
links para suas preferências no blog" no
final da postagem, é possível saber mais sobre este ou outros Artistas assim como sobre
Músicas ou ritmos de sua preferência aqui no blog, sempre com total segurança.


carlos miranda (betomelodia)





O meu amor sozinho é assim como um jardim sem flor
Só queria poder ir dizer a ela como é triste se sentir saudade
É que eu gosto tanto dela que é capaz dela gostar de mim
Acontece que eu estou mais longe dela que da estrela a reluzir na tarde

Estrela eu lhe diria desce à terra o amor existe
E a poesia só espera ver nascer a primavera para não morrer

Não há amor sozinho é juntinho que ele fica bom
Eu queria dar-lhe todo o meu carinho eu queria ter felicidade
É que o meu amor é tanto é um encanto que não tem mais fim
E no entanto ela não sabe que isso existe é tão triste se sentir saudade

Amor eu lhe direi amor que eu tanto procurei
Ah quem me dera eu pudesse ser a tua primavera e depois morrer

vinicius de moraes / carlos lyra



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Diga Sim, Paula Fernandes - de 14/06/2015

paula fernandes


Nesta postagem trago mais uma vez a dona de uma maravilhosa voz, Paula Fernandes. Ela que tem
admiradores que vão da mais tenra idade aos mais idosos, causa sempre surpresa por suas
interpretações perfeitas em qualquer estilo musical, por seus shows com maravilhosos
temas e por sua afinada voz. É a Artista que mais vendeu discos na última década.

Em várias postagens anteriores, descrevi Paula em muitos aspectos e deixei claro que sou
"fã de carteirinha" desta pessoa maravilhosa que ela é. Todos sabem que ela é cantora
e compositora; alguns que é arranjadora e empresária. Mas poucos sabem que além
disso ela é filantropa, ajudando a manter em sua cidade natal, Sete Lagoas, lá no
Estado de Minas Gerais, uma ONG que ajuda pessoas deficientes. Em maio de
2013, em sua turnê pelo continente africano, doou parte da arrecadação
de seus shows em Angola e Cabo Verde, para várias causas sociais.

E sabem quem é a Madrinha e Musa da Polícia Federal Brasileira? Paula Fernandes. E é também a
personalidade mais seguida nas redes sociais do Brasil, tendo sido eleita a décima sexta
mulher mais sexy do mundo e uma das pessoas mais influentes da América Latina.

Se outra publicação com a Paula eu colocar no blog, não sei sobre o que mais vou escrever
sobre ela. Escolhi para ilustrar a postagem uma de suas composições , "Quero Sim",
uma bela canção ao amor. Lembro que ao final da publicação, é só clicar nos
itens em "Links para suas preferências no blog", para ler um pouco mais
sobre esta Artista ou acessar estilos musicais de sua preferência,
aqui mesmo no blog e com segurança. Espero apreciarem.

carlos miranda (betomelodia)




Às vezes sou fada às vezes faísca
Estou ligada na tomada numa noite mal dormida 

Eu tô com saudade da nossa amizade 
Do tempo em que a gente amava se ver 
Eu não sou palavra eu não sou poema 
Sou humana pequena a se arrepender 

Às vezes sou dia às vezes sou nada 
Hoje lágrima caída choro pela madrugada 
Às vezes sou fada às vezes faísca 
Estou ligada na tomada numa noite mal dormida 

Se o teu amor for frágil e não resistir 
E essa magoa então ficar eternamente aqui 
Tô de volta a imensidão de um mar que é feito de silêncio 

Se os teus olhos não refletem mais o nosso amor 
E a saudade me seguir pra sempre aonde eu for 
Fica claro que tentei lutar por esse sentimento 

Diga sim ouça o som prove o sabor que tem o meu amor 
Cola em mim a tua cor eu te quero sim sem dor

paula fernandes



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Boiadeiro Errante, com Sérgio Reis e Filhos - de 08-06-2015

sérgio reis


" O Brasil tem dois grandes artistas populares: o Roberto Carlos e o Sérgio Reis." 
Renato Teixeira


No bairro de Santana na cidade de São Paulo em junho de 1940, nasceu Sérgio Bavini.
Nome artístico: Sérgio Reis, um ícone da música sertaneja, compositor, cantor, ator
e agora, eleito deputado federal pelo Estado de São Paulo.

Sua carreira no Universo Musical Brasileiro foi na época da Jovem Guarda com sua
composição "Coração de Papel", um de seus muitos sucessos. Mas na Música Sertaneja foi
em 1972 a sua estréia com "Menino da Gaita", seguindo-se muitas outras canções que
projetaram seu nome no cenário da Música Sertaneja definitivamente, tanto que
no ano de 1981, seu álbum "O Melhor de Sérgio Reis" alcançou mais de um
milhão de cópias vendidas. Quanto ao sucesso junto ao público e à
crítica especializada, Sérgio é o Artista que mais indicações
teve ao Grammy, tendo ficado com três, categoria
"Melhor Álbum de Música Sertaneja".

Escolhi um vídeo de seu show "Sérgio Reis e Filhos - Violas e Violeiros", em que Sérgio está
acompanhado dos filhos Paulo Augusto e Marco Sérgio ao interpretar a composição de
Teddy Vieira, "Boiadeiro Errante", bela letra narrando a lida dos boiadeiros pelos
caminhos de nosso querido Brasil. Ao final da postagem, há alguns links que
levam a outros artistas e estilos musicais diversos aqui no blog, com
total segurança em "links para suas preferências no blog". 

carlos miranda (betomelodia)




Eu venho vindo de uma querência distante
Sou um boiadeiro errante que nasceu naquela serra
O meu cavalo corre mais que o pensamento
Ele vem no passo lento porque ninguém me espera

Tocando a boiada auê-uê-uê boi eu vou cortando estrada uê boi
Tocando a boiada auê-uê-uê boi eu vou cortando estrada

Toque o berrante com capricho Zé Vicente
Mostre para essa gente o clarim das alterosas
Pegue no laço não se entregue companheiro
Chame o cachorro campeiro que essa rez é perigosa

Olhe na janela auê-uê-uê boi que linda donzela uê boi
Olhe na janela auê-uê-uê boi que linda donzela

Sou boiadeiro minha gente o que é que há
Deixe o meu gado passar vou cumprir com a minha sina
Lá na baixada quero ouvir a siriema
Prá lembrar de uma pequena que eu deixei lá em Minas

Ela é culpada auê-uê-uê boi de eu viver nas estradas uê boi
Ela é culpada auê-uê-uê boi de eu viver nas estradas

O rio tá calmo e a boiada vai nadando
Veja aquele boi berrando Chico Bento corre lá
Lace o mestiço salve ele das piranhas
tire o gado da campanha pra viagem continuar

Com destino a Goiás auê-uê-uê boi deixei Minas Gerais uê boi
Com destino a Goiás auê-uê-uê boi deixei Minas Gerais uê boi


teddy vieira 



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Odeon, Fernanda Takai - de 23-02-2015

betomelodia.blogspot.com


" Nazareth: Compositor brasileiro dotado de uma extraordinária originalidade,
porque transita com fôlego entre a Música Popular e Erudita,
fazendo-lhe a ponte, a união, o enlace."

Mário de Andrade


Hoje, neste post um dos mais belos "Chorinhos" de nosso Universo Musical: Odeon.
Música composta por Ernesto Nazareth no ano de 1910 que, 50 anos mais tarde
recebeu a letra de Vinícius de Moraes.  Nazareth apresentava-se na sala de
espera do antigo Cinema Odeon, para ilustres personalidades que iam
àquele cinema apenas para ouvi-lo ao piano, desde o ano de 1908,
quando foi contratado para tal.

Foi em homenagem ao Cinema Odeon, o mais luxuoso da cidade do Rio de Janeiro,
que em 1910 compôs e batizou sua obra prima como Odeon. À época, não teve
grande repercussão e foi gravado somente em 1912, com ele ao piano e
Pedro de  Alcântara ao flautim. O sucesso só foi alcançado 50 anos
após, década de 60, com a letra que Vinícius de Moraes criou.

fernanda takai

E agora, vamos falar sobre a intérprete que escolhi, para o resgate dessa obra-prima:
possuidora de uma voz suave, afinada, bela e carismática, sou fã ardoroso dela
por sua obra, por seus ótimos resgates de nossa Música e por sua ternura.
Ela é Fernanda Takai.

Fernanda, até o ano de 2007 era conhecida apenas como vocalista de uma banda
mineira de Música Pop, a Pato Fu. E foi naquele ano que ela iniciou a carreira
solo, brindandando seus ouvintes e admiradores com sua técnica vocal,
enriquecendo a Música Popular Brasileira com sua finesse ao cantar
grandes sucessos de nosso Universo Musical.

carlos miranda (betomelodia)





Ai quem me dera o meu chorinho tanto tempo abandonado
E a melancolia que eu sentia quando ouvia ele fazer tanto chorar
Ai nem me lembro há tanto tanto todo o encanto de um passado
Que era lindo era triste era bom igualzinho a um chorinho chamado Odeon

Terçando flauta e cavaquinho meu chorinho se desata
Tira da canção do violão esse bordão que me dá vida e
Que me mata é só carinho o meu chorinho quando pega e chega assim
Devagarzinho meia luz meia voz meio tom meu chorinho chamado Odeon

Ah vem depressa chorinho querido vem mostrar a graça
Que o choro sentido tem quanto tempo passou
Quanta coisa mudou já ninguém chora mais por ninguém

Ai quem diria que um dia chorinho meu você viria
Com a graça que o amor lhe deu pra dizer não faz mal
Tanto faz tanto fez eu voltei pra chorar com vocês

Chora bastante meu chorinho teu chorinho de saudade
Diz ao bandolim pra não tocar tão lindo assim
Porque parece até maldade ai meu chorinho
Eu só queria transformar em realidade a poesia ai que lindo
Ai que triste ai que bom de um chorinho chamado Odeon

Chorinho antigo chorinho amigo eu até hoje ainda percebo essa ilusão
Essa saudade que vai comigo e até parece aquela prece que sai só do coração
Se eu pudesse recordar e ser criança se eu pudesse renovar minha esperança
Se eu pudesse me lembrar como se dança esse chorinho
Que hoje em dia ninguém sabe mais


ernesto nazareth / vinicius de moraes



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 24 de janeiro de 2016

Êxtase, Guilherme Arantes - de 24/01/2015

betomelodia.blogspot.com
minha esposa ivanete, (iva souza)

A postagem de hoje é dedicada à uma incrível mulher: Ivanete (Iva Souza), sobre a qual me faltam
adjetivos para defini-la. Hoje é dia de seu aniversário mas, como sempre, sou eu o ganhador
recebendo todos os dias um presente: sua companhia. Grata e querida companhia.

A Música por mim escolhida para homenageá-la é uma composição, um poema, escrito por um
grande nome da nossa Música Popular Brasileira: Guilherme Arantes. Foi composta ao nascer
sua primogênita e segundo suas palavras, "expressa todo o lado cósmico, metafísico do amor".
De uma profunda pureza, a dedico à minha amada, com todo o meu amor.
Parabéns, querida.


carlos miranda (betomelodia)




Meu Amor. Assim como o poema do Guilherme, eu jamais pensaria que aos 62 anos
minha busca por uma companhia que ao longo de todo meu viver sonhei,
fosse se concretizar.

Tampouco pensei que de tal dádiva seria merecedor pois embora anteriormente
tentasse, acabava perdendo minha identidade. A vida se tornava maçante e a solidão
me fazia companhia, embora rodeado de parentes e amigos. O que sempre me
salvava de uma depressão era a Música e seus maravilhosos acordes.

Mas te encontrei, aos poucos o Amor brotou e hoje tua presença ao meu lado
resgatou minha essência sem críticas, de ti recebendo apenas carinho, desde aquele
nosso primeiro inesquecível abraço, lembra? Viver à ti é minha vida.
Meus parabéns e minha gratidão por existires. Sempre teu, Beto.






Eu nem sonhava te amar desse jeito
Hoje nasceu novo sol no meu peito
Quero acordar te sentindo ao meu lado
Viver o êxtase de ser amado

Espero que a música que eu canto agora
Possa expressar o meu súbito amor

Com sua ajuda tranquila e serena
Vou aprendendo que amar vale a pena
Que essa amizade é tão gratificante
Que esse diálogo é muito importante

Espero que a música que eu canto agora
Possa expressar o meu súbito amor


guilherme arantes




fontes
imagem: carlos miranda (betomelodia) - vídeo: youtube
texto: carlos miranda (betomelodia), baseado na música/poema êxtase de guilherme arantes
base das pesquisas: google

sábado, 23 de janeiro de 2016

Oração ao Tempo, Djavan - de 21/03/2014

betomelodia.blogspot.com


No ano de 1572, na Inglaterra, nasceu John Donne.
Foi um poeta, prosador e também clérigo. Na vibração das
cordas e acordes de seu alaúde, declamava versos e entoava
suas canções. John morreu no ano de 1631, em sua terra natal.
Mas, o que este inglês de épocas tão remotas tem em comum
com a Música Popular Brasileira? Nada. Mas sua obra, tudo.

Acontece que ele deixou um belo legado à humanidade. E deste
legado, um de seus escritos caiu em mãos de um já velho conhecido
nosso, autor de inúmeros sucessos e dono de um interpretar
inigualável, conhecido por Caetano Veloso. É, Caetano.


djavan

Assim, de um ótimo texto secular, nasceu a inspiração para uma composição
que classifico como uma prece, tendo como título Oração ao Tempo
Nela o tempo é tratado como um deus, pois a vida entranhada em
seus meandros, nos tornas escravos de seus desígnios. Até quando? 

Para ilustrar esta postagem escolhi um vídeo com Djavan, uma
personalidade muito querida em meu blog, grande ícone no
universo da Música Popular Brasileira.

carlos miranda (betomelodia)




És um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho
Tempo tempo tempo tempo
Vou te fazer um pedido tempo tempo tempo tempo

Compositor de destinos tambor de todos os rítmos
Tempo tempo tempo tempo
Entro num acordo contigo tempo tempo tempo tempo

Por seres tão inventivo e pareceres contínuo
Tempo tempo tempo tempo
És um dos deuses mais lindos tempo tempo tempo tempo

Que sejas ainda mais vivo no som do meu estribilho
Tempo tempo tempo tempo
Ouve bem o que te digo tempo tempo tempo tempo

Peço-te o prazer legítimo e o movimento preciso
Tempo tempo tempo tempo
Quando o tempo for propício tempo tempo tempo tempo

De modo que o meu espírito ganhe um brilho definido
Tempo tempo tempo tempo
E eu espalhe benefícios tempo tempo tempo tempo

O que usaremos prá isso fica guardado em sigilo
Tempo tempo tempo tempo
Apenas contigo e migo tempo tempo tempo tempo

E quando eu tiver saído para fora do teu círculo
Tempo tempo tempo tempo
Não serei nem terás sido tempo tempo tempo tempo

Ainda assim acredito ser possível reunirmo-nos
Tempo tempo tempo tempo
Num outro nível de vínculo tempo tempo tempo tempo

Portanto peço-te amigo e te ofereço elogios
Tempo tempo tempo tempo
Nas rimas do meu estilo tempo tempo tempo tempo

caetano veloso 



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Quando o Amor Acontece, João Bosco - de 13-01-2014

betomelodia.blogspot.com
joão bosco


Em 12/12/2007, editei uma postagem em que João Bosco interpreta
"Caminhos Cruzados", uma obra prima de Tom Jobim com a
parceria de Abel Silva. Nesta página, destaquei João cantando
com a alma, revelando os sentimentos dos autores que em poucas
palavras, criaram um poema ao Amor e suas consequencias.

Mas, existem intérpretes que além de transmitirem com perfeição
o lado sentimental das letras, sejam elas quais forem, superam-se.
É o caso desta ótima performance de João Bosco. Pessoalmente eu
atrevo-me a classifica-la como a mais bela entre todas as que já
ouvi. Creio que concordarão comigo.

carlos miranda (betomelodia)




Coração sem perdão diga fale por mim
Quem roubou toda a minha alegria
O amor me pegou me pegou pra valer
Aí que a dor do querer muda o tempo e a maré
Vendaval sobre o mar azul

Tantas vezes chorei quase desesperei
E jurei nunca mais seus carinhos
Ninguém tira do amor ninguém tira pois é
Nem doutor nem pajé o que queima e seduz
enlouquece o veneno da mulher

O amor quando acontece
A gente esquece logo que sofreu um dia ilusão
O meu coração marcado tinha um nome tatuado
Que ainda doía pulsava só a solidão

O amor quando acontece
A gente esquece logo que sofreu um dia esquece sim
Quem mandou chegar tão perto se era certo um outro engano
Coração cigano agora eu choro assim

tom jobim / abel silva



fontes
imagem: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Lambada de Serpente, Djavan - de 01/01/2014



Uma composição do poeta e compositor Cacaso, nascido lá em Uberaba,
uma interiorana cidade das Minas Gerais, onde outrora escravos eram
recrutados para o trabalho nas plantações das grandes fazendas da época.

Musicada por Djavan, ela narra em belas metáforas os sonhares, o trabalho
escravo, saudades da terra natal e o desejo de livrarem-se da tirania em
que viviam. A "lambada de serpente" é o açoite e o "grão de pé de guerra,
prá colher dente por dente
", o desejo de vingança contra os que os
obrigam a trabalhar de sol à sol em condições desumanas.




d j a v a n 


Esta Música traz-me uma vívida e grata recordação.
Certa noite em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, a bela capital do estado
onde residi por 28 anos, estando eu no palco e tendo terminado uma
interpretação de "Oceano", de Djavan, minha filha caçula, Talita, subiu ao
palco pedindo-me para usar o microfone. Surpreso o cedi. Para meu
meu espanto ela virou-se sinalizando aos meus Músicos: "Lambada de Serpente,
Dó+
". Cantou perfeitamente. Foi muito aplaudida. Orgulho meu.





t a l i t a 

Dia primeiro de janeiro, foi seu aniversário, e hoje, dedico à ti

mais uma vez minha filha, esta publicação.
Felicidades e que seus sonhos se concretizem.


carlos miranda (betomelodia)





Cuidá dum pé de milho
Que demora na semente
Meu pai disse meu filho
Noite fria tempo quente

Lambada de serpente
A traição me enfeitiçou
Quem tem amor ausente
Já viveu a minha dor

No chão da minha terra
Um lamento de corrente
Um grão de pé de guerra
Pra colher dente por dente

Lambada de serpente
A traição me enfeitiçou
Quem tem amor ausente
Já viveu a minha dor

cacaso / djavan



fontes
imagens: google / betomelodia - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google