quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Amor de Índio, com Milton Nascimento

milton nascimento


Não creio ser necessário em mais esta publicação e que destaca uma vez mais um dos maiores nomes
do Universo Musical Brasileiro: Milton Nascimento. Suas composições, interpretações e marcante
voz, conquistaram amantes da Música de qualidade e bom gosto em todo esse mundão criado
por Deus. Em meu repertório várias fizeram parte, e eu tenho uma preferência especial e
carinho por uma delas: Travessia. Lançada no ano de 1967, a primeira faixa do álbum
homônimo,  que teve imediato sucesso.  Mas, para ilustrar a postagem, segui a
sugestão de bom gosto de  minha querida amiga de uma outra rede social,
Vania Beatris Marques,  e assim  trago  "Bituca"  interpretando  o seu
primeiro grande sucesso: Amor de Índio, certo que apreciarão.




Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Tudo que move é sagrado e remove as montanhas
Com todo cuidado meu amor
Enquanto a chama arder todo dia te ver passar
Tudo viver ao teu lado com o arco da promessa
No azul pintado pra durar

Abelha fazendo mel vale o tempo que não voou
A estrela caiu do céu o pedido que se pensou
O destino que se cumpriu
De sentir teu calor e ser todo
Todo dia é de viver para ser o que for e ser tudo

Sim todo amor é sagrado e o fruto do trabalho
É mais que sagrado meu amor
A massa que faz o pão vale a luz do teu suor
Lembra que o sono é sagrado e alimenta de horizontes
O tempo acordado de viver

No inverno te proteger no verão sair pra pescar
No outono te conhecer primavera poder gostar
No estio me derreter pra na chuva dançar e andar junto
O destino que se cumpriu de sentir teu calor e ser tudo


beto guedes / ronaldo bastos



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

( sugerida por vania beatris marques )

terça-feira, 29 de agosto de 2017

A Arte no Mundo - Noruega


the seine at saint-cloud, 1890

edvard munch - 1863 / 1944
pastel on buff card - 26.8 x 34.7 cm - private collection
london - england

fonte
imagem e dados técnicos: google
publicado por : carlos miranda (betomelodia) 

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Maria Tomaselli, Talento e Filosofia na Arte




Natural da Áustria, um dos mais belos Países europeus, Maria Tomaselli Cirne Lima nasceu no ano de
1941 em Innsbruck. Desenhista, gravadora e pintora, formou-se em desenho no ano de 1962, e
concluiu o curso de filosofia três anos mais tarde, em sua terra natal. Veio para o Brasil
em 1969, fixando residência na cidade de Porto Alegre, capital do Estado do Rio
Grande do Sul, e por dois anos foi aluna de um grande nome na pintura
do Brasil,  Iberê Camargo.  Em seguida aulas de xilogravura, com
Danúbio Gonçalves no Ateliê Livre da Prefeitura de Porto
Alegre. Após três anos de sua chegada, mudanças. 

Em um breve resumo, no ano de 1972 foi morar em
São Paulo, capital, onde cursou  serigrafia e frequentou a 
Escola Brasil, tendo sido premiada na 2ª Exposição Internacional
de Gravura, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Novamente após
três anos, mudou-se para a cidade do  Rio de Janeiro,  onde cursou gravura em
metal no Museu de Arte Moderna. A parir de 1979, em Olinda, capital pernambucana, ela
aderiu à  Oficina  Guaianases  de Gravura,  tendo fundado em 1980 o  Ateliê MAM de Litografia.


maria tomaselli


Quanto a sua Obra, em uma de suas fases Maria Tomaselli trabalhou em
pinturas pesquisando variada gama cromática em vivas cores e variados materiais,
tais como aquarela e acrílica sobre algodão, o que talvez seja o motivo de
sua Arte sofrer tantas mudanças com o passar do tempo.
Apreciem o seu talento na pequena mostra a seguir.




Como sempre faço questão de ressaltar,  ao final da postagem,  lá na série de links apresentados em
"links para suas preferências no blog",  é possível saber mais sobre outros Artistas Plásticos,
assim como sobre outros estilos de sua preferência, com total segurança, aqui mesmo
em meu  blog,  e também em meus outros espaços culturais na Web.  Apreciem.

carlos miranda (betomelodia) 



















meu destaque - sem título disponível


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

( atenção: tamanho das telas adaptados à diagramação )
( telas sem títulos disponíveis )

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Se Acaso Você Chegasse, Adriana Calcanhoto

adriana calcanhoto


Ela já esteve em nosso Blog em seis publicações e agora, volta interpretando um clássico Samba do
Universo Musical Brasileiro: "Se Acaso Você Chegasse",  autoria de Lupicínio Rodrigues em
parceria com Felisberto Martins. Sobre a cantora e a dupla de compositores, já muito
escrevi anteriormente, vou então escreve sobre Lupi, como era conhecido.

Gaúcho de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul, nasceu no dia 16 de Setembro, ano
1914, no humilde bairro Ilhota. Lupicínio em minha opinião, é um dos, senão o maior nome do
estilo  Samba-Canção, com cerca de  150 composições que uma vez gravadas,  foram
sucesso no  final da década de trinta.  Mas, foi em 1938 com  Cyro Monteiro,
que ao gravar a composição que hoje destacamos,  impulsionou a
obra musical de  "Lupi". Interessante é o fato que serviu para mais acelerar
a rápida escalada ao sucesso: parceria com Felisberto Martins, que  morando no Rio
Janeiro, e  trabalhando em uma gravadora, o que ajudou muito na divulgação dos discos mas,
teve um certo custo:  o seu nome  como parceiro na composição.  Sem dúvida foi uma ótima parceria.





Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Se acaso você chegasse no meu chateou e encontrasse
Aquela mulher que você gostou
Será que tinha coragem de trocar a nossa amizade
Por ela que já lhe abandonou

Eu falo porque essa dona já mora no meu barraco
À beira de um regato e de um bosque em flor
De dia me lava a roupa de noite me beija a boca
E assim vamos vivendo de amor

lupicínio rodrigues / felisberto martins



fontes
imagens: google - vídeo: arquivo pessoal - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

A Arte no Mundo - Brasil




st. john the baptist - 1873

joão zeferino da costa, 1840 / 1915
oil on canvas - 201.5 × 132.5 cm - museu nacional de belas artes
rio de janeiro - brazil

fonte
imagem e dados técnicos: google
publicado por : carlos miranda (betomelodia) 

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Jean-Baptiste Debret, os Registros do Brasil Colônia

segundo casamento de sua majestade imperial dom pedro I


Sobre nosso destaque de hoje nas Artes Plásticas no Brasil, fatos que gravaram seu nome na História
do Brasil:  organizou a primeira mostra pública de Arte em nosso País,  e foi o autor do desenho
do maior símbolo da Nação brasileira, a nossa bandeira. Se isso não bastasse, nos legou
o histórico acervo sobre nossa Pátria nos idos do século XIX,  tendo sido um dos
fundadores da  Academia Imperial de Belas Artes no Rio de Janeiro, capital
da colônia portuguesa. Pintor da corte de Napoleão, obteve o título
de  Pintor Oficial da Coroa Portuguesa no Brasil, por 15 anos.


jean baptiste debret

Jean-Baptiste Debret, nascido em Paris em  18 de abril de 1768,  foi desenhista, cenógrafo, decorador,
pintor, professor, e discípulo do líder do neoclassicismo na  Academia de Belas Artes,  em Paris,
o pintor Jacques-Luis David. No ano de 1816, fez parte da  Missão Artística Francesa que
à pedido da  Coroa Portuguesa  objetivava o ensino das Artes no Brasil, que teve
amplo sucesso em sua implantação, com  Debret  lecionando em seu ateliê
e na recém inaugurada Academia Imperial de Belas Artes. Viajou por
todo o  Brasil  retratando paisagens e costumes regionais, o
que resultou quando retornou à Paris na publicação do
livro Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. E foi
em  Paris  que faleceu,  em Junho de 1848.





Como sempre faço questão de ressaltar,  ao final da postagem,  lá na série de links apresentados em
"links para suas preferências no blog",  é possível saber mais sobre outros Artistas Plásticos,
assim como sobre outros estilos de sua preferência, com total segurança, aqui mesmo
em meu  blog,  e também em meus outros espaços culturais na Web.  Apreciem.

carlos miranda (betomelodia) 




uma família brasileira no rio de janeiro

cena de rua, rio de janeiro, século XIX

retrato de dom joão VI

o caçador de escravos


família de um chefe camacan se preparando para uma festa

o castigo do escravo

coroação de dom pedro I - detalhe

família de botocudos em marcha
campeiros da província do rio grande do sul, brasil



napoleão bonaparte e a primeira entrega de condecorações da
ordem nacional da legião de honra
 


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

( atenção: tamanho das telas adaptados à diagramação )